Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

Calcanhotto grava ao vivo show 'Olhos de onda' em apresentação no Rio

Show que Adriana Calcanhotto estreou em Portugal, em abril de 2013, Olhos de onda ganha registro ao vivo em sua chegada ao Rio de Janeiro (RJ). A cantora e compositora gaúcha - em foto de Daniel Achedjian - grava o show para edição de DVD e CD ao vivo na apresentação agendada para 1º de fevereiro de 2014, na casa Vivo Rio. Em Olhos de onda, show de caráter retrospectivo, Calcanhotto apresenta a inédita música-título Olhos de onda e dá voz a outras duas músicas que nunca gravou - Tua (canção que deu nome ao álbum lançado por Maria Bethânia em 2009) e Motivos reais banais, parceria com o compositor e poeta baiano Waly Salomão (1943 - 2003), gravada por Mariana de Moraes em seu inédito terceiro CD solo - entre temas autorais como Esquadros (1992), Inverno (com Antonio Cícero, 1994) e Vambora (1998).

8 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Show que Adriana Calcanhotto estreou em Portugal, em abril de 2013, Olhos de onda ganha registro ao vivo em sua chegada ao Rio de Janeiro (RJ). A cantora e compositora gaúcha - em foto de Daniel Ach - vai gravar o show para edição de DVD e CD ao vivo na apresentação agendada para 1º de fevereiro de 2014, na casa Vivo Rio. Em Olhos de onda, show de caráter retrospectivo, Calcanhotto apresenta a inédita música-título Olhos de onda e dá voz a outras duas músicas que nunca gravou - Tua (canção que deu nome ao álbum lançado por Maria Bethânia em 2009) e Motivos reais banais, parceria com o compositor e poeta baiano Waly Salomão (1943 - 2003), gravada por Mariana de Moraes em seu inédito terceiro CD solo - entre temas autorais como Esquadros (1992), Inverno (com Antonio Cícero, 1994) e Vambora (1998).

Pedro Progresso disse...

não aguento mais essas gravações no Vivo Rio. é um misto de falta de criatividade, conformismo e economia de dinheiro que as gravadoras devem ter com esse conchavo.

Bruno Cavalcanti disse...

Gravar no Vivo Rio eu acho o de menos, mas convenhamos, por que diabos a Calcanhotto vai gravar esse show? Isso é, não vi nenhuma novidade nele - desde o repertório até as interpretações. É um "Público" número 2. Seria legal se ela registrasse em vídeo sua interpretação de "Music", da Madonna. Aliás, shows como "Cantada" e "Maré" não ganharam registro e este ganha? Morro para entender a dona Calcanhotto (que poderia muito bem apresentar mais algumas inéditas nesse projeto)... enfim, bom para os colecionadores.

Leonardo Cidreira disse...

outro cd ao vivo??!! realmente deve ter um contexto forte! gravadora, vivo rio e multishow, que passou a exibir alguns espetáculos em tempo real no canal direto da casa de show!!

que ela mostre algo a mais (de novidade) do q o cd/dvd "público".

Mauro Ferreira disse...

Caros, o show 'Maré' não foi gravado porque a Sony Music não quis. O CD não foi bem do ponto de vista comercial. Nós queremos novidades. Mas o fato é que o grande público quer mesmo ouvir os sucessos. Essa é a realidade. Abs, grato a todos pela participação, MauroF

p.s.: Não vi o show, mas Calcanhotto sabe fazer espetáculos refinados. E, pelo que li, tem toda uma bossa em cena.

Fabio disse...

Olha, no show Público ela cantava a versão que fez em português de Anybody Seen My Baby que o Mick Jagger não aprovou. Pra mim é uma das melhores musicas dela que ela poderia tentar ressuscitar.

Vitor disse...

Até hoje não me conformo de não ter lançado o DVD do "Cantada".

Coisas do Sertão disse...

Emanuel Andrade disse

Mauro tem razão. Mas cá com meu ouvidos não aguento essa moça ao violão. A última vez que a vi foi com o Davi Moraes que, acredito, por ideia de Adriana, pagou uma GUITARRA pra reinventar 'Esses Moços', de Lupcínio Rodrigues. Ora, foi a maior estupidez que já vi entre tantas na MPB. Se for com banda, posso ir. Só violão jamais, nem de graça.