Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 27 de janeiro de 2013

Arantes grava na Bahia seu primeiro CD de inéditas autorais desde 2007

Sem lançar disco de inéditas desde o fraco Lótus (Coaxo do Sapo/Som Livre, 2007), Guilherme Arantes grava repertório inteiramente inédito e autoral em seu estúdio Coaxo do Sapo, na Bahia, para o 26º álbum de sua discografia solo. O CD se chama Condição humana e tem lançamento previsto para este primeiro semestre de 2013. O cantor, compositor e pianista paulista recrutou banda formada pelos músicos Alexandre Blanc, Gabriel Frejat, Luiz Carlini e Willy Verdaguer. A intenção é evocar no disco a sonoridade da obra de Arantes na virada dos anos 70 para os 80, exposta em álbuns como Coração paulista (1980), reeditado em 2012 pela Warner Music na Série Discobertas. Arantes compôs sem parceiros as músicas do álbum.

4 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Sem lançar disco de inéditas desde o fraco Lótus (Coaxo do Sapo/Som Livre, 2007), Guilherme Arantes grava repertório inteiramente inédito e autoral em seu estúdio Coaxo do Sapo, na Bahia, para o 26º álbum de sua discografia solo. O CD se chama Condição humana e tem lançamento previsto para este primeiro semestre de 2013. O cantor, compositor e pianista paulista recrutou banda formada pelos músicos Alexandre Blanc, Gabriel Frejat, Luiz Carlini e Willy Verdaguer. A intenção é evocar no disco a sonoridade da obra de Arantes na virada dos anos 70 para os 80, exposta em álbuns como Coração paulista (1980), reeditado em 2012 pela Warner Music na Série Discobertas. Arantes compôs sem parceiros as músicas do álbum.

Rafael M. disse...

Gostei de saber que ele vai lançar o seu tão vaguardado disco de inéditas neste ano. Espero que venha coisas boas por aí.

Rafael M. disse...

A propósito: Gostei do título do disco.

CASSILDO SOUZA disse...

Só não concordo em dizer que Lótus foi "fraco". Não foi um discaço, mas houve outros discos de menor expressão dele que se saíram bem no passado. É um disco regular, em meu entender. É que de Guilherme Arantes, nós sempre esperamos demais! Mas respeito a opinião do blogueiro. Também gostei do título.