Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sábado, 6 de agosto de 2011

Mr. Jam guia Wanessa com segurança pela pista do pop dance em 'DNA'

Resenha de CD
Título: DNA
Artista: Wanessa
Gravadora: Sony Music
Cotação: * * *

Oitavo álbum de Wanessa, DNA sedimenta com êxito a virada iniciada pela artista com o lançamento do anterior Meu Momento (2009), disco produzido pelo DJ Deeplick e Denilson Miller com fidelidade à  receita artificial que padroniza com mix de r & b, pop e rap a discografia da maioria das cantoras norte-americanas em evidência nas paradas dos EUA.  Apesar de ter emplacado nas rádios o hit Fly, gravado com o rapper Ja Rule, Meu Momento soou irregular, sobretudo pelo fato de Deeplick ter tentado se projetar como compositor através de Wanessa. Inteiramente cantado em inglês,  DNA é mais coeso, embora perca pique na segunda metade de suas 13 músicas (dois remixes das já conhecidas Worth It e Stuck on Repeat) completam o repertório do CD). O produtor Mr. Jam - nome artístico do DJ Fabianno Almeida - conduz Wanessa com segurança pela pista do pop dance em álbum que clona fórmulas já testadas por cantoras como Lady Gaga e Madonna. A latinidade de Blow me Away - faixa introduzida pela guitarra de tom flamenco tocada por Sérgio Knust - remete de imediato às gravações de sabor latino feitas pela Material Girl. Mesmo que jamais soe verdadeiramente original, DNA é CD com unidade que desce bem. DNA, a faixa-título, tem pegada pop quase tão sedutora quanto a de Falling For U, a música de 2010 que marcou o início da investida de Wanessa no segmento pop dance. Get Loud!  segue  essa  pista.  Murder também seduz com sua batida que evoca a disco music. Mas a faixa mais ousada do disco - e também uma das mais interessantes - é Sticky Dough, que cruza toda a informação pop do disco com as levadas do funk carioca e do dubstep (ritmo hoje dominante nas pistas europeias) em resultado harmônico. A rapper norte-americana Bam Bam turbina a faixa. A rigor, os beats de DNA começam a ficar desacelarados a partir da balada Rescue Mission. High esboça aura espiritual que não chega a envolver o ouvinte. Mas o único momento realmente dispensável do álbum é a balada It's Over. Parceria de Wanessa com Fabianno Almeida, a canção tem a emoção artificial que pautou o começo de carreira da artista, que desde 2009 limou o Camargo do sobrenome artístico. Contudo, justiça seja feita, mesmo soando quase sempre como clone de Lady Gaga, Wanessa apresenta seu primeiro CD realmente interessante. Se a neta de Francisco continuar se jogando nessa pista com habilidade, talvez até encontre sua verdadeira identidade musical.

22 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Oitavo álbum de Wanessa, DNA sedimenta com êxito a virada iniciada pela artista com o lançamento do anterior Meu Momento (2009), disco produzido pelo DJ Deeplick e Denilson Miller com fidelidade à receita artificial que padroniza com mix de r & b, pop e rap a discografia da maioria das cantoras norte-americanas em evidência nas paradas dos EUA. Apesar de ter emplacado nas rádios o hit Fly, gravado com o rapper Ja Rule, Meu Momento soou irregular, sobretudo pelo fato de Deeplick ter tentado se projetar como compositor através de Wanessa. Inteiramente cantado em inglês, DNA é mais coeso, embora perca pique na segunda metade de suas 13 músicas (dois remixes das já conhecidas Worth It e Stuck on Repeat) completam o repertório do CD). O produtor Mr. Jam - nome artístico do DJ Fabianno Almeida - conduz Wanessa com segurança pela pista do pop dance em álbum que clona fórmulas já testadas por cantoras como Lady Gaga e Madonna. A latinidade de Blow me Away - faixa introduzida pela guitarra de tom flamenco tocada por Sérgio Knust - remete de imediato às gravações de sabor latino feitas pela Material Girl. Mesmo que jamais soe verdadeiramente original, DNA é CD com unidade que desce bem. DNA, a faixa-título, tem pegada pop quase tão sedutora quanto a de Falling For U, a música de 2010 que marcou o início da investida de Wanessa no segmento pop dance. Get Loud! segue essa pista. Murder também seduz com sua batida que evoca a disco music. Mas a faixa mais ousada do disco - e também uma das mais interessantes - é Sticky Dough, que cruza toda a informação pop do disco com as levadas do funk carioca e do dubstep (ritmo hoje dominante nas pistas europeias) em resultado harmônico. A rapper norte-americana Bam Bam turbina a faixa. A rigor, os beats de DNA começam a ficar desacelarados a partir da balada Rescue Mission. High esboça aura espiritual que não chega a envolver o ouvinte. Mas o único momento realmente dispensável do álbum é a balada It's Over. Parceria de Wanessa com Fabianno Almeida, a canção tem a emoção artificial que pautou o começo de carreira da artista, que desde 2009 limou o Camargo do sobrenome artístico. Contudo, justiça seja feita, mesmo soando quase sempre como clone de Lady Gaga, Wanessa apresenta seu primeiro CD realmente interessante. Se a neta de Francisco continuar se jogando nessa pista com habilidade, talvez até encontre sua verdadeira identidade musical.

Luca disse...

Difícil acreditar que isso seja bom, Mauro, desculpa, mas não dá pra engolir Wanessa Camargo querendo ser a Lady Gaga do Brasil!

Vitor disse...

A piada do ano e o Mauro caiu

Vitor disse...

Acho que o fato mais relevante da crítica é informar que a única música composta pela moça é a pior música do cd. Não sei pra que ainda abrem espaço pra essa pessoa sem nenhum talento, se querem criar uma Lady Gaga brasileira que busquem uma pessoa com talentos musicais mais desenvolvidos, pq essa nao tem grande voz, nao dança bem, nao tem grande beleza, nao produz e nao compoe nada e quando inventa de fazer é pra jogar pra baixo o trabalho que os outros fizeram por ela. Revoltante

FSaker disse...

Embora não concorde com vários pontos na resenha do Mauro, parabenizo ele pela cabeça aberta que mostrou na resenha do disco. Uma pena que não se pode dizer o mesmo das pessoas que comentaram aqui. Gostar ou não gostar do CD de um artista é direito de cada um, mas vir reclamar da resenha adotando a postura de "não ouvi e não gostei" é uma demonstração clara de ignorância. Sugestão para os "críticos" de plantão nos comentários no blog: escutem primeiro, opinem depois. Wanessa fez um bom trabalho sim, mostrou uma boa evolução em relação ao disco Meu Momento (no qual começou essa virada em sua carreira).

Agora, se não querem ouvir o CD, tudo bem, também é direito de cada um. Mas nesse caso, façam o favor de deixar a seção de comentários para quem vai elogiar ou criticar porque ouviu, não porque o preconceito falou mais alto.

Vitor disse...

O dia que a Wanessa ex-camargo fizer um disco posso até ouvir e dizer o que penso, a questão é q ela nao fez disco nenhum, apenas colocou sua voz num produto que nao tem nada a ver com o DNA dela. Nao tem e nunca teve coerencia e talento, atira pra todos os lados e viu no publico gay uma chance de ganhar dinheiro ja q esse mercado é pouco explorado no cenario nacional. Existem centenas de cantoras mais talentosas que ela q nao recebem esse espaço da midia e vivem no ostracismo pq nao tem um DNA famoso

Lemados disse...

Ouvi esse cd e achei espetacular, ao contrário do que o Mauro disse, na minha opinião a balada it´s over é a que eu mais gostei,é mto apaixonante e me fez transportar á vários momentos de minha vida.Com relação aos discos anteriores,a Wanessa deu um show de bola, fui comprar o cd ontem em um shopping e não paro de escutar, percebi mta evolução e realmente amo a voz dela e que voz hein?

Concordo com o Mauro de que esse cd é o melhor de toda a carreira dela até hoje.

Nicolas disse...

Engraçado são as pessoas querendo críticar a Wanessa por adotar esse estilo, mas será que quando ela cantava em português e se adequava ao mercado de música pop brasileira, esses que criticavam algum vez compraram os Cd's dela? Acho até que pelo simples fato dela ser brasileira criasse um preconceito,e por que ela precisa se limitar e satisfazer o gosto de quem sempre torceu o nariz pra ela? Acho que essa atitude de lançar um Cd nesse formato só acrescentou na sua carreira, precisa ter muita coragem pra se lançar num mercado de um segmento falido no Pais.Mesmo quase soando como clone de Lady Gaga? Desculpa, mas chega a ser cômico relacionar Lady Gaga como referência de originalidade.O Pop é um estilo importado, como se pode cantar o mesmo sem trazer elementos da sua cultura de origem?

Aos críticos nos comentários, só digo: Critiquem o que conhecem!

Nicolas disse...

Engraçado são as pessoas querendo críticar a Wanessa por adotar esse estilo, mas será que quando ela cantava em português e se adequava ao mercado de música pop brasileira, esses que criticavam algum vez compraram os Cd's dela? Acho até que pelo simples fato dela ser brasileira criasse um preconceito,e por que ela precisa se limitar e satisfazer o gosto de quem sempre torceu o nariz pra ela? Acho que essa atitude de lançar um Cd nesse formato só acrescentou na sua carreira, precisa ter muita coragem pra se lançar num mercado de um segmento falido no Pais.Mesmo quase soando como clone de Lady Gaga? Desculpa, mas chega a ser cômico relacionar Lady Gaga como referência de originalidade.O Pop é um estilo importado, como se pode cantar o mesmo sem trazer elementos da sua cultura de origem?

Aos críticos nos comentários, só digo: Critiquem o que conhecem!

Caio Faiad disse...

Faço minha as palavras do FSaker.

Não gosto desse povo que só porque é pop mete o pau. Se o álbum está de acordo com a proposta ele é bom sim!

Além do mais vários países tem cantoras bombando nas paradas internacionais: Shakira (Colombia), Rihanna (Barbados), Nick Minahj (Trinidad e Tobago) só pra citar as mais famosas.

Pode ser que a Wanessa seja mais uma brasileira falhando nessa missão, mas dentre os diversos trabalhos com propósito de colocar uma brasileira nas paradas pop internacionais esse projeto foi o que mais acertou.

DYOW disse...

haa eu gostei do disco em si descordo do que ele falou de high pois as musicas que não gosto são tonight forever e It's Over

Gill disse...

1 minuto vendo Wanessa e qualquer um com o mínimo de discernimento percebe que se trata apenas de uma cópia, das piores, das cantoras americanas que já não são lá essas coisas. A garota queria ser a Mariah tupiniquim no passado, agora apela pra moda atual estilo Lady Gaga. É sempre um quadro sofri do e patético do pior na música brasileira e não falo por preconceito, juto que tentei ouvir e foi um sofrimento. Tati Quebra Barraco me parece mais original e verdadeiro do que isso aí. E nós que delirávamos que a imitação de artistas pop americanos havia se acabado. Doce ilusão...

Anônimo disse...

Eu apoio Wanessinha, ela achou a vibe dela.
Vitor, que isso?
Ela é uma gracinha.

Fabio disse...

Gosto não se discute, se lamenta!

Carla disse...

NoOssa...não entendo prq tanta gente irônica, e sem moral, querendo falar da Wanessa, sem nem ao menos conhecê-la de fato! Povo tudo invejoso, que ficam comparando ela com outras cantoras. Ela tem seu estilo, cada um tem sua identidade..Assim como, todos temos vontades próprias, e gostos diferenciados. Acho que os críticos ae, deveriam se ocupar com sua vida, se for para se meter na vida dos outros pra falar mal.
Olha, em relação a este comentário do escritor: "Contudo, justiça seja feita, mesmo soando quase sempre como clone de Lady Gaga, Wanessa apresenta seu primeiro CD realmente interessante. Se a neta de Francisco continuar se jogando nessa pista com habilidade, talvez até encontre sua verdadeira identidade musical."
Só posso dizer umas coisas...Quem gosta, e ama, está do lado sempre, desde o buraco até o pico mais alto. Desde o primeiro CD DA WANESSA, os verdadeiros fãs, foram firmes e deram coragem para ela seguir sua carreira magnífica, com a voz perfeita q Deus deu para ela. Todos os Cd's foram ótimos! E a cada lançamento, novas surpresas, novas emoções. Este CD DNA foi mais um que continuou fazendo os fãs sentirem orgulho dela. Ela não clona personalidade de Lady Gaga nenhuma, prq aquela mulher tbm tem a sua. Quer saber a identidade da Wanessa? Só os bons enchergam, prq os críticos destrutivos e invejosos, não tem capacidade de ver. Ela é LINDAA, CANTA MUITO, DANÇA SUPER BEM..E PRONTO...Morram de Inveja!! Diwa Forever. By Carla Adrielle

Gill disse...

Eu não sei o que é pior: Se é o disco e a carreira de Wanessa ou se é a fã que mal sabe se expressar, mas que muito bem representa seu ídolo. Leia-se ídolo no sentido de idolatria, afinal, somente a fé pode justificar o gosto pelo azedo.

Thays Rachelly disse...

Povinho Mal Informado Debochar De Uma Artista De Peso Faz Parte Da Vidinha Fútil De Voçes Né ? Pra Mim DNA Sempre Será O Melhor Albúm Da Wanessa Voçes Querendo Ou Não A Wanessa Sambou Na Cara Da Sociedade Com Um Salto Bem Fino Por Sinal E Desfilou Com Uma Elegância Em Cima Da Cara Das Pessoas Que Não Gostaram Dela , Voçes Falam Mal Mais Pagam Pau e Acabam Comprando o CD Dela , Ela Arrasou Muito No Albúm DNA com Isso Tornando-Se a Única Cantora A Representar o Brasil No Mercado Internacional , Eé Hoje o Orgulho De Milhões De Pessoas è Pra Ela Os Varios Fc Espalhado Pelo Brasil e Eu Tenho Orgulho De Fazer Parte Do DNA Da Wanessa No Blog Dedicado Pra Ela Www.wanessapopstar.blogspot.com , Bezuuuu Seu Recalcados

google disse...

Se você realmente tivesse conheço de causa não falaria com esse tom de preconceito e arrogância! Wanessa na verdade nunca quis ser cantora, mais se viu lançada na cova para competir com Sandy! Depois de tanta polêmicas, tantos namoros e barracos! Ela se viu forçada a cantar um estilo pra competir com Sandy, ela ia lá cantava e dava a loca em tudo que é canto! Mais essa situação mudou em 2005 quando ela lançou o álbum W, que pela primeira vez trouxe músicas escritas e co-escritas por ela! Com seu dedo em algumas melodias ela realmente mostrou que era cantora, um CD muito coerente, com faixas pop deliciosas! Wanessa sempre gostou do Pop, era fã da Madonna e do Michael Jackson, sempre dançou muito nos shows então isso não é algo de agora! Mais infelizmente sua veia artística foi abafada para poder surgir a menina que poderia bater de frente com Sandy! Depois de tantas cobranças Wanessa fez o que queria em 2005 e depois voltou a fazer isso no DNA, onde mostrou verdadeiramente o destino que Wanessa sempre quis seguir! Mais quando se fala de Wanessa as pessoas não quer nem saber, é só a filha do famoso sertanejo que entrou por acaso no mundo da música! É não é bem assim!

google disse...

Se você realmente tivesse conheço de causa não falaria com esse tom de preconceito e arrogância! Wanessa na verdade nunca quis ser cantora, mais se viu lançada na cova para competir com Sandy! Depois de tanta polêmicas, tantos namoros e barracos! Ela se viu forçada a cantar um estilo pra competir com Sandy, ela ia lá cantava e dava a loca em tudo que é canto! Mais essa situação mudou em 2005 quando ela lançou o álbum W, que pela primeira vez trouxe músicas escritas e co-escritas por ela! Com seu dedo em algumas melodias ela realmente mostrou que era cantora, um CD muito coerente, com faixas pop deliciosas! Wanessa sempre gostou do Pop, era fã da Madonna e do Michael Jackson, sempre dançou muito nos shows então isso não é algo de agora! Mais infelizmente sua veia artística foi abafada para poder surgir a menina que poderia bater de frente com Sandy! Depois de tantas cobranças Wanessa fez o que queria em 2005 e depois voltou a fazer isso no DNA, onde mostrou verdadeiramente o destino que Wanessa sempre quis seguir! Mais quando se fala de Wanessa as pessoas não quer nem saber, é só a filha do famoso sertanejo que entrou por acaso no mundo da música! É não é bem assim!

google disse...

Se você realmente tivesse conheço de causa não falaria com esse tom de preconceito e arrogância! Wanessa na verdade nunca quis ser cantora, mais se viu lançada na cova para competir com Sandy! Depois de tanta polêmicas, tantos namoros e barracos! Ela se viu forçada a cantar um estilo pra competir com Sandy, ela ia lá cantava e dava a loca em tudo que é canto! Mais essa situação mudou em 2005 quando ela lançou o álbum W, que pela primeira vez trouxe músicas escritas e co-escritas por ela! Com seu dedo em algumas melodias ela realmente mostrou que era cantora, um CD muito coerente, com faixas pop deliciosas! Wanessa sempre gostou do Pop, era fã da Madonna e do Michael Jackson, sempre dançou muito nos shows então isso não é algo de agora! Mais infelizmente sua veia artística foi abafada para poder surgir a menina que poderia bater de frente com Sandy! Depois de tantas cobranças Wanessa fez o que queria em 2005 e depois voltou a fazer isso no DNA, onde mostrou verdadeiramente o destino que Wanessa sempre quis seguir! Mais quando se fala de Wanessa as pessoas não quer nem saber, é só a filha do famoso sertanejo que entrou por acaso no mundo da música! É não é bem assim!

google disse...

O Mauro Ferreira é sim um critico preconceituoso e que coloca nas sua criticas sempre um tom preconceituoso quando se trata de Wanessa, Ivete Sangalo e Claudia Leite! Se você realmente tivesse conheço de causa não falaria com esse tom de preconceito e arrogância! Wanessa na verdade nunca quis ser cantora, mais se viu lançada na cova para competir com Sandy! Depois de tanta polêmicas, tantos namoros e barracos! Ela se viu forçada a cantar um estilo pra competir com Sandy, ela ia lá cantava e dava a loca em tudo que é canto! Mais essa situação mudou em 2005 quando ela lançou o álbum W, que pela primeira vez trouxe músicas escritas e co-escritas por ela! Com seu dedo em algumas melodias ela realmente mostrou que era cantora, um CD muito coerente, com faixas pop deliciosas! Wanessa sempre gostou do Pop, era fã da Madonna e do Michael Jackson, sempre dançou muito nos shows então isso não é algo de agora! Mais infelizmente sua veia artística foi abafada para poder surgir a menina que poderia bater de frente com Sandy! Depois de tantas cobranças Wanessa fez o que queria em 2005 e depois voltou a fazer isso no DNA, onde mostrou verdadeiramente o destino que Wanessa sempre quis seguir! Mais quando se fala de Wanessa as pessoas não quer nem saber, é só a filha do famoso sertanejo que entrou por acaso no mundo da música! É não é bem assim!

google disse...

Cada cantor tem um caminho a perseguir , o seu amadurecimento é ao longo dos anos e para Wanessa chegar ao que é hoje precisou percorrer caminhos como este. Na época era sucesso, era moda se lançar assim, a gravadora tb quer que ela venda discos, pouco se importa com a identidade do cantor. Wanessa se viu filha de um cantor famoso, criou o seu próprio espaço e estava sim numa zona confortável porque mal ou não, gostando ou não, ela vendia o essencial! Porque não adianta ser filha sei lá de quem e não vender. Se não vender qualquer gravadora manda embora! Lady gaga veio estourando e Wanessa esperta pegou isso pro seu trabalho, isso se chama influencia musical. Anos vi CD's sendo lançados com a mesma porcaria de sempre. O CD foi muito bem aceito, mas esquecemos que aqui no Brasil tudo é flopado!