Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Vocalista do Bonde do Rolê canta no álbum do DJ Boss in Drama, 'Pure gold'

 Projeto de electro pop do DJ, compositor e produtor paranaense Péricles Martins, Boss in Drama transita por glam e funk. O que de certa forma explica o nome de Laura Taylor - vocalista do Bonde do Rolê - na ficha técnica do primeiro álbum de Boss in Drama, Pure gold, cujo lançamento está programado para setembro de 2011 pelo selo Vigilante, da gravadora Deck. Taylor canta na faixa Let me be. Coautora de seis das 11 faixas do disco, a cantora australiana Christel Escosa é a outra convidada do disco, tendo posto voz em três músicas e feito backing vocal em outras duas faixas. Apesar das colaborações de Taylor e Escosa, o álbum Pure Gold foi inteiramente tocado, composto, produzido, arranjado e cantado por Péricles Martins - o único cérebro do Boss in Drama.

5 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Projeto de electro pop do cantor e compositor paulista Péricles Martins, Boss in Drama transita por glam e funk. O que de certa forma explica o nome de Laura Taylor - vocalista do Bonde do Rolê - na ficha técnica do primeiro álbum do Boss in Drama, Pure Gold, cujo lançamento está programado para setembro de 2011 pelo selo Vigilante, da gravadora Deck. Taylor canta na faixa Let me Be. Coautora de seis das 11 faixas do disco, a cantora australiana Christel Escosa é a outra convidada do disco, tendo posto voz em três músicas e feito backing vocal em outras duas. Apesar das colaborações de Taylor e Escosa, o álbum Pure Gold foi inteiramente tocado, composto, produzido, arranjado e cantado por Péricles - o cérebro do Boss in Drama.

Luca disse...

pela foto, não quero nem ouvir...

Caio Faiad disse...

olha o preconceito musical!!

Gill disse...

Não é preconceito musical, é sexual mesmo.

KL disse...

ouçam, é interessante: mistura de daft Punk, Cassius e afins. O som é uma retro-disco-funk meio tosca, com toda a afetação necessária para integrar o divertido universo camp.