Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Reedições de álbuns iluminam a 'nuvem passageira' de Hermes Aquino

Postas nas lojas pelo selo Discobertas neste mês de agosto de 2011, as caprichadas reedições dos dois únicos álbuns do cantor e compositor gaúcho Hermes Aquino, Desencontro de Primavera (1977) e Santa Maria (1978), jogam oportuna luz sobre a obra autoral de um artista que marcou presença em trilhas sonoras exibidas pela TV Globo na segunda metade dos anos 70. Aquino já militava na cena indie gaúcha desde meados da década de 60, tendo integrado o grupo Som 4, conhecido em Porto Alegre (RS) por seus covers dos Beatles. Mas foi somente a partir de junho de 1976, mês em que estreou na TV Globo a novela O Casarão, que o gaúcho virou mania nacional. Bela canção que evocava a atmosfera de um fado, Nuvem Passageira estourou em todo o país ao ser propagada na trilha sonora da novela como tema do personagem  Jacinto, vivido pelo ator português Tony Correia. O sucesso imediato de Nuvem Passageira - música lançada em compacto em abril daquele ano de 1976 - abriu caminho para que Aquino gravasse seu primeiro álbum pela extinta gravadora Tapecar. Batizado com o nome de um fado que também tocou em todo o Brasil por ser tema de outro personagem vivido por Tony Correia em novela da TV Globo (o popular Machadinho da novela Locomotivas), o álbum Desencontro de Primavera volta às lojas com duas faixas-bônus, Machu Picchu e Se Habilite, fonogramas até então lançados em compactos hoje raríssimos. Na sequência do sucesso, Aquino aceitou o convite para se transferir da nacional Tapecar para o selo inglês Capitol, que se estabelecia no Brasil na época, vinculado à gravadora EMI-Odeon. Pelo selo Capitol, o artista gravou e lançou seu segundo álbum, Santa Maria, que destacou no repertório a faixa-título, Chuva de Verão (outro fado de tom pop, composto e arranjado nos moldes de Desencontro de Primavera) e Senhorita (balada que integrou a trilha sonora da novela Pecado Rasgado, exibida pela TV Globo em 1978). O fado Chuva de Verão ainda fez algum sucesso, tendo sido lançado em compacto de 1978 e propagado na trilha sonora da novela Marrom Glacê (1979). Contudo, aliada à insatisfação do artista com a divulgação do álbum Santa Maria, a desativação da filial brasileira do selo Capitol, em 1979, precipitou a saída de Aquino da gravadora Odeon. Em vez de um terceiro álbum, como vinha planejando, o artista conseguiu gravar apenas um compacto em 1979, com as então inéditas Esperança e Luzes da Cidade, incluídas como faixas-bônus na reedição de Santa Maria. Além das faixas-bônus, os álbuns voltam ao catálogo - em reedições produzidas por Marcelo Fróes com o aval de Aquino - com encartes turbinados com textos informativos de Emílio Pacheco (que conta a história do artista antes e depois de seu sucesso nacional) e fotos dos compactos gravados por Aquino na metade daquela década em que sua Nuvem Passageira se moveu como forte furacão nas paradas da música brasileira dos anos 70.

11 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Postas nas lojas pelo selo Discobertas neste mês de agosto de 2011, as caprichadas reedições dos dois únicos álbuns do cantor e compositor gaúcho Hermes Aquino, Desencontro de Primavera (1977) e Santa Maria (1978), jogam oportuna luz sobre a obra autoral de um artista que marcou presença em trilhas sonoras exibidas pela TV Globo na segunda metade dos anos 70. Aquino já militava na cena indie gaúcha desde meados da década de 60, tendo integrado o grupo Som 4, conhecido em Porto Alegre (RS) por seus covers dos Beatles. Mas foi somente a partir de junho de 1976, mês em que estreou na TV Globo a novela O Casarão, que o gaúcho virou mania nacional. Bela canção que evocava a atmosfera de um fado, Nuvem Passageira estourou em todo o país ao ser propagada na trilha sonora da novela como tema do personagem Jacinto, encarnado pelo ator português Tony Correia. O sucesso de Nuvem Passageira - música lançada em compacto em abril daquele ano de 1976 - abriu caminho para que Aquino gravasse seu primeiro álbum pela extinta gravadora Tapecar. Batizado com o nome de um fado que também tocou em todo o Brasil por ser tema de outro personagem vivido por Tony Correia em novela da TV Globo (o Machadinho da novela Locomotivas), o álbum Desencontro de Primavera volta às lojas com duas faixas-bônus, Machu Picchu e Se Habilite, fonogramas até então lançados em compactos hoje raríssimos. Na sequência do sucesso, Aquino aceitou o convite para se transferir da nacional Tapecar para o selo Capitol, que se estabelecia no Brasil na época, vinculado à gravadora EMI-Odeon. Pelo selo Capitol, o artista gravou e lançou seu segundo álbum, Santa Maria, que destacou no repertório a faixa-título, Chuva de Verão (outro fado de tom pop, composto e arranjado nos moldes de Desencontro de Primavera) e Senhorita (balada que integrou a trilha sonora da novela Pecado Rasgado, exibida pela TV Globo em 1978). O fado Chuva de Verão ainda fez algum sucesso, tendo sido lançado em compacto de 1978 e propagado na trilha sonora da novela Marrom Glacê (1979). Contudo, aliada à insatisfação do artista com a divulgação do álbum Santa Maria, a desativação da filial brasileira do selo Capitol, em 1979, precipitou a saída de Aquino da gravadora Odeon. Em vez de um terceiro álbum, como vinha planejando, o artista conseguiu gravar apenas um compacto em 1979, com as então inéditas Esperança e Luzes da Cidade, incluídas como faixas-bônus na reedição de Santa Maria. Além das faixas-bônus, os álbuns voltam ao catálogo - em reedições produzidas por Marcelo Fróes com o aval de Aquino - com encartes turbinados com textos informativos de Emílio Pacheco (que conta a história do artista antes e depois de seu sucesso nacional) e fotos dos compactos gravados por Aquino na metade daquela década em que sua Nuvem Passageira se moveu como um furacão nas paradas da música brasileira dos anos 70.

André Queiroz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
André Queiroz disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Luca disse...

Aprovo também! reedição tem que texto novo, faixas-bônus, isso tudo que justifica a compra de um cd

CN disse...

Marcelo Fróes só marca gol! Carlos Navas

KL disse...

dois álbuns bem interessantes, mil a zero em qualquer "produção" atual.

André Queiroz disse...

Mais uma bola dentro do selo Discobertas e Marcelo Fróes.Espero e torço que o selo lance outros titulos raros do selo Musidisc como por exemplo Orlandivo, Pedrinho Rodrigues,Silvio Cesar,Luiz Claudio,Turma da Gafieira,El Cubanito,etc...

Zé Henrique disse...

O que eu quero saber é quando vão sair os dois discos dos Novos Baianos.
Cadê as crianças???

KL disse...

O acervo da Tapecar tem, pelo menos, uns 30 álbuns impecáveis e surpreendentes. Questão só de tempo e oportunidade para saírem em cd.

André Queiroz disse...

Tomara que os cds dos Novos Baianos e Bezerra da Silva da Tapecar saiam e que não role nenhum problema burocrático impeça isso.Isso me lembra há 7 anos atrás uma matéria do jornal O Globo sobre uma caixa que seria produzida pelo Carlos Sion reunindo os albuns de 10 polegadas de Pixinguinha da fase da Sinter e depois não se falou mais nada.

Outros titulos da Tapecar que poderiam ser relançadas:

-Bebeto(Tamba Trio)-1975;
-Fernando Lona - Cidadão do Mundo;
-Roberto Nascimento;
-Rubinho e Mauro Assumpção - Perfeitamente,Justamente Quando Cheguei;
-Ronnie & Central do Brasil;
-Xangò da Mangueira -Velho Batuqueiro/Chão da Mangueira/Vol.3;
-Partido em 5 - 3 albuns;
-Partideiros do Plá - Cobras Criadas/Metem Bronca/Na Cururuca do Samba.

Márcio disse...

Relançamento com faixas bônus e encarte turbinado? CLAP, CLAP, CLAP! Palmas merecidas para Marcelo Fróes. Aproveito para engrossar o coro dos que, a exemplo de Zé Henrique, pedem o relançamento do trabalho dos Novos Baianos na Tapecar.