Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


terça-feira, 16 de agosto de 2011

Gaby apronta primeiro álbum solo com dueto com Takai e inédita de Thalma

 Destaque da cena tecnobrega de Belém (PA), Gaby Amarantos - conhecida na mídia como a "Beyoncé do Pará" por ter gravado versão em português de Single Ladies, intitulada Tô solteira - aprontou seu primeiro álbum solo. Com inédita de Thalma de Freitas e Iara Rennó, Chuva, o CD foi produzido por Carlos Eduardo Miranda. Na faixa Pimenta com sal, de Eliakin Rufino, a ex-vocalista da banda Tecno Show faz um dueto com outra estrela nascida no Norte do Brasil, Fernanda Takai, com quem Gaby já dividiu o palco na posse da presidente Dilma Roussef. A cantora também gravou com Dona Onete, lenda viva da música paraense. Onete é compositora e convidada da faixa Mestiça. Com lançamento previsto para outubro, o álbum mistura o gênero rotulado de Tecno Melody com ritmos como carimbó, merengue e salsa. Além de regravar músicas como Vem me amar (de Alípio Martins - ícone brega da música paraense, já falecido - e Jesus Couto) e Xirley (de Zé Cafofinho - nome da cena musical de Pernambuco - com Original DJ Copy, Chiquinho, Marcelo Machado e Hugo Gila), Gaby se aventura como compositora nas músicas Eira, Gemendo e  Faz o T.

6 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Destaque da cena tecnobrega de Belém (PA), Gaby Amarantos - conhecida na mídia como a "Beyoncé do Pará" por ter gravado versão em português de Single Ladies, intitulada Tô Solteira - aprontou seu primeiro disco solo. Aberto com inédita de Thalma de Freitas e Iara Rennó, Como Acontece a Chuva, o CD foi produzido por Carlos Eduardo Miranda. Na faixa Pimenta com Sal, de Eliaquim Rufino, a ex-vocalista da banda Tecno Show faz dueto com outra estrela nascida no Norte do Brasil, Fernanda Takai, com quem Gaby já dividiu o palco na posse da presidente Dilma Roussef. A cantora também gravou com Dona Onete, lenda viva da música paraense. Onete é compositora e convidada da faixa Mestiça. Com lançamento previsto para outubro, o álbum mistura o gênero rotulado de Tecno Melody com ritmos como carimbó, merengue e salsa. Além de regravar músicas como Vem me Amar (de Alípio Martins, ícone brega da música paraense, já falecido) e Xirley (de Zé Cafofinho, nome da nova cena musical de Pernambuco), Gaby se aventura como compositora nas músicas Eira, Gemendo e Faz o T.

Antonio Gauderio disse...

Desculpe o preconceito mas lá outra artista popular se misturar com a turma sofisticada da MPB pra ganhar mídia. Daqui a pouco tem personal stylist e usa marca estrangeira. Que saudade da Gretchen e do Sidney Magal, autênticos artistas populares num tempo em que chique era ter personalidade.

Luca disse...

Preconceito naõ se desculpa Antonio. Isso é coisa de crítico: querer isolar um artista dentro de seu universo popular é tolher esse artista... Em frente, Gaby...

Caio Faiad disse...

Se faz parceria com a Gretchen e com o Falcão é o mais puro lixo musical. Se faz com a turma sofisticada da MPB é pra ganhar mídia.

A gente nem ouviu a música e o pessoal tá falando ASNEIRA. Tenho medo do preconceito musical!!

Zé Henrique disse...

Eu não vi preconceito nenhum. Vi sim um crítica, pra lá de pertinente, ao fato de alguns ungidos elegerem o brega da vez pra virar cult.
Agora, não acho que a Gretchen ou o Magal sejam mais auntênticos que a Gaby. Os três são surfistas, pegam a onda que vier.

Diogo Santos disse...

Mesmo não sendo fã destes, eu gosto quando artistas egressos do Norte e Nordeste fazem sucesso no " Sul Maravilha " - quer dizer, eixo Rio-São Paulo. Só espero que Gaby não perca sua identidade ...