Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Björk revela nomes das onze músicas que compõem o álbum 'Biophilia'

Nas lojas a partir de 26 de setembro de 2011, em edição viabilizada por parceria do selo One Little Indian com a gravadora Nonesuch, o sétimo álbum de estúdio de Björk, Biophilia, vai apresentar dez músicas inéditas em sua edição standard. A edição em digipack totaliza mais três faixas, incluindo uma 11ª música - Nattura - e gravações alternativas de Hollow e Dark Matter. Precedido pelo single Crystalline, lançado em junho, Biophilia versa sobre a relação do Homem com a natureza e a tecnologia. Eis as faixas do CD reveladas pela artista islandesa:

1. Moon
2. Thunderbolt
3. Crystalline
4. Cosmogony
5. Dark Matter
6. Hollow
7. Virus
8. Sacrifice
9. Mutual Core
10. Solstice
Faixas-bônus da edição standard:
11. Hollow - Versão original com sete minutos
12. Dark Matter - Gravação com coro e órgão
13. Natture

16 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Nas lojas a partir de 26 de setembro de 2011, em edição viabilizada por parceria do selo One Little Indian com a gravadora Nonesuch, o sétimo álbum de estúdio de Björk, Biophilia, vai apresentar dez músicas inéditas em sua edição standard. A edição em digipack totaliza mais três faixas, incluindo uma 11ª inédita - Nattura - e gravações alternativas de Hollow e Dark Matter. Precedido pelo single Crystalline, lançado em junho, Biophilia versa sobre a relação do Homem com a natureza e a tecnologia. Eis as faixas do CD reveladas pela artista islandesa:

1. Moon
2. Thunderbolt
3. Crystalline
4. Cosmogony
5. Dark Matter
6. Hollow
7. Virus
8. Sacrifice
9. Mutual Core
10. Solstice
Faixas-bônus da edição standard:
11. Hollow - Versão original com sete minutos
12. Dark Matter - Gravação com coro e órgão
13. Natture

aguiar_luc disse...

Os singles Crystalline, Cosmogony, Virus já em rotação são maravilhosos. Ancioso pra ouvir o álbum completo!
Björk á uma artista única, as outras tantas DIVAS do POP deveriam buscar um pouco de inspiração em artistas desse naipe!!

Salve Björk

Luca disse...

Era uma artista muito interessante, depois foi ficando chata, perdeu o encanto pra mim

KL disse...

a ousadia das produções de Bjork fazem as de Lady Gaga, Madonna e afins parecerem brincadeira de criança.
Em tempo, uma curiosidade: o álbum preferido dela é "Courage", de Milton Nascimento, com arranjos de Eumir Deodato. Ou seja, por mais contemporânea que seja, ela bebe em fonte de água pura.

aguiar_luc disse...

Luca ela continua interessante sim, ela apenas não repete a mesma fórmula. Acho que ela está em constante tranformação!

Edu M disse...

"Nattura" foi gravada há um tempo para um projeto ecológico na Islândia e tem participação do Thom Yorke, do Radiohead.

Eduardo Cáffaro disse...

É muito bacana quando o artista tem a rédea da arte em suas mãos. Ela cuida com empenho das canções, e até das capas dos albuns... e de novo mais uma capa bem interessante. Gostei - de novo !

Zé Henrique disse...

Concordo KL, é que Lady Gaga e afins são produtos já a Björk é uma artista.

PS: Tb achei a capa bonitona.

Chabacano disse...

Os 3 primeiros álbuns dela -"Debut", "Post" e "Homogenic" - são os meus favoritos, justamente por serem menos "estranhos" e mais pop que os se seguiram, que não são fáceis de serem devidamente apreciados. E este último, pelo jeito, vai pelo mesmo caminho. Ou seja: vai requerer paciência de oriental para cativar os ouvidos.

KL disse...

ZH,

Até que enfim concordamos em alguma coisa embora, na minha opinião, as três sejam artistas e produtos - por que não?
Mas essa capa de Bjork é mais do que "bonitona"; é uma obra de Arte digna de ser pendurada no museu ao lado de um Roy Lichtenstein por exemplo. Quem de nós imaginaria uma mulher fantasiada de nebulosa? E essa harpa usada como um cinto? Sen-sa-cio-nal!

Zé Henrique disse...

É que tem vários tipos de artista, né KL?
Tem os que fizeram discos pré-79 e os que fizeram pós.
Vc bem sabe. rsrsrs :>)

KL disse...

ZH,

Sim, eu bem sei (rs).
Mas, pós-1979, infelizmente, no Brasil, até agora, não há exceções para confirmar a regra. O contexto dos 1980´s instaurou a ditadura do tecnopop, que cortou praticamente todos os vínculos com a mp de qualidade. O distanciamento propiciou a chegada de "novos" "talentos" que, francamente, só fazem sucesso por sorte, apadrinhamento de jornaista burro ou esquema de "marketing".

KL disse...

Por exemplo: essa "criatura" do post acima é uma piada, tanto como cantor como compositor; um pouco mais acima, está o outro que tenta clonar Djavan e escreve letras pretensiosamente poéticas. Enfim, não faltam "bons" exemplos de mediocridade atual, (in)devidamente sacralizada.

Vitor disse...

Sempre fui muito fã da Bjork,tenho toda sua discografia e meu cd preferido é o Vespertine, mas desde o Medulla eu venho sofrendo pra gostar dos trabalhos dela. To quase desistindo, espero que esse cd traga algo interessante

Pedro Progresso disse...

Apesar de ter me perdido legal sobre como vai ser esse lançamento (app pra Ipad, cd, joguinho), mal posso esperar pra ouvir o disco. Björk é genial.

nando disse...

Björk faz parte do seleto grupo de verdadeiros artistas, em evidente extinção, pois cantoras(es) surgem pencas por dia. Cantar é fácil, mas fazer arte é dom encontrado em poucos.
Desde que David Bowie se aposentou, ela é a única salvação para a arte pop musical atual.

Seus últimos albuns, "Volta" e "Voltaic" foram brilhantes, não representando estagnação nem perda de inspiração. Espero que o disco novo venha tão brilhante quanto os anteriores.