Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quarta-feira, 27 de março de 2013

Marx revisa em 'Trinta' quase vinte anos de carreira em clima de neo soul

Resenha de CD
Título: Trinta
Artista: Patricia Marx
Gravadora: Lab 344
Cotação: * * 1/2

Trinta - 11º álbum da discografia solo de Patricia Marx, lançado neste mês de março de 2013 - tem esse título porque celebra os 30 anos de carreira fonográfica da cantora e compositora paulista. Trajetória iniciada em 1983 com a gravação de faixa no LP infantil 1º Festival Internacional da Criança. Contudo, a rigor, Trinta poderia se chamar Vinte ou, mais precisamente, Dezenove, pois a revisão do repertório começa em 1994, ano em que, sob produção de Nelson Motta, a cantora adotou o nome artístico de Patricia Marx e lançou o CD Ficar com você. Versão de Motta para I wanna be where you are (T-Boy Ross e Leon Ware), sucesso de Michael Jackson (1958 - 2009) em 1971, a música-título Ficar com você é rebobinada em Trinta em tonalidade suave, sem a pegada da gravação do Rei do Pop. É a última das dez faixas de disco que ignora a fase infantil de Patricia no Trem da Alegria - grupo infantil criado pelo produtor e compositor Michael Sullivan em 1984 - e também o cancioneiro adolescente gravado pela cantora nos álbuns Paty (1987), Patrícia (1988) e Incertezas (1990). Até mesmo os álbuns Neoclássico (1992) - a incursão da artista pela MPB pré-Bossa Nova - e Charme do mundo (projeto de covers de 1997) foram omitidos neste primeiro volume da revisão (está prevista para o fim do ano, pelo selo Lab 344, a edição do segundo volume do projeto, após o lançamento do DVD e CD ao vivo). Embora incompleta nesse volume inicial, a seleção de Trinta soa coerente ao expor músicas que se prestam bem a abordagem neosoul que dá o tom do disco e que o torna por vezes linear. Marx já cantou pop dançante e já se embrenhou no universo eletrônico (Despertar, parceria da cantora com Bruno E, é lembrança dessa fase eletrônica). Mas nunca escondeu o apreço pelo soul. Mote de temas como Dito e feito (Patricia Marx, Filiph Neo e Sorry Drummer) e Cedo ou tarde (Patricia Marx, Bruno E., Filiph Neo e Sorry Drummer), este gravado por Marx em dueto com o tecladista Filiph Neo, o neosoul já motivou a cantora até a fazer um disco editado na Europa e no Japão em 2004. Trinta também é disco pautado pelo neosoul e, nesse sentido, a escolha dos convidados se adequou perfeitamente ao tom black pop do disco. Ed Motta deita e rola no groove da inédita Tudo o que eu quero (Patricia Marx, Bruno E., Filiph Neo e Sorry Drummer). Seu Jorge aveluda a releitura de Espelhos d'água, parceria de Dalto e Claudio Rabello, bela canção lançada por Dalto em 1983 e regravada por Marx em seu álbum Quero mais (1995). Já Diego Oliveira põe seu rap no samba Menino (Patricia Marx e Marc Mac). Única faixa em inglês do disco, Melody of love (Patricia Marx, Marc Mac, Filiph Neo e Sorry Drummer) sinaliza que o groove dos temas por vezes soa mais sedutor do que as músicas em si. Para quem faz questão de melodia, Quando chove - versão em português de Nelson Motta para a canção italiana Quando chiove (Pino Daniele), gravada originalmente por Marx no disco Ficar com você (1994) - vai soar como um dos destaques de Trinta. De todo modo, aos 38 anos de vida, Marx revisa 19 dos 30 anos de sua carreira musical com elegância e charme, num tom íntimo e pessoal, como se Trinta fosse antes um disco moldado para sua satisfação própria do que para atender exigências de mercado que, por preguiça e conveniência, adora se escorar no passado.

6 comentários:

Mauro Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Almir Soares disse...

Eu gostei muito do show, essa guinada que ela deu para um tom mais sexy, colocar antigos sucessos em ritmo, soul; também concordo que haveria mais músicas no cd. Somente 10 faixas não mostra nem a metade do repertório. Vamos aguardar o dvd. Mesmo assim Paty está de parabéns.

Almir Soares disse...

O show foi perfeito, realmente faltaram algumas canções para abrilhantar ainda mais esse trabalho. O formato pin-up, ficou perfeito, com Patrícia esbanjando sensualidade.
Parabéns Paty que venha o dvd

Histórias do Arteiro disse...

O disco embora curto é bem bonito, e quem foi ao show do Net Rio ontem viu que ela apresentou musicas de todas as fases, como Destino,Te cuida meu bem e Cedo demais e Sonho de amor (essa está na versão do cd no I-TUNES e estará no DVD), com novos arranjos. E não se esqueçam que provavelmente virá um Trinta vol.2, provavelmente com mais sucessos...

Mauro Ferreira disse...

sim, haverá um Trinta vol. 2 até o fim do ano. abs, MauroF

Fabio disse...

Putz, nesse clima de neo soul as músicas ficam muito parecidas, a batida é a mesma. Ouvi os samples no iTunes e achei o CD broxante. Uma pena, esperava bem mais. Nada difere dos CDs que ela lançou pela Trama.