Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 23 de setembro de 2012

Universal já pode comprar EMI, mas vai ter que vender selo Parlophone

A Comissão Europeia - instituição que analisa fusões de empresas com poder de veto - aprovou a aquisição da EMI Music pela Universal Music. Especulado desde novembro de 2011, o negócio envolve cerca de 1,5 bilhão de euros (cerca de quatro bilhões de reais). Contudo, para obter o sinal verde para efetivar a compra da EMI, a Universal se comprometeu com a Comissão Europeia a se desfazer de selos até então vinculados à gravadora inglesa. A exigência é necessária para dosar o domínio do mercado fonográfico mundial pela Universal, que já é a líder desse mercado - com 22% de participação - antes mesmo da aquisição da EMI. Na prática, a Universal vai ter que abrir mão dos catálogos de selos como Parlophone (casa de artistas como Blur, Coldplay, David Guetta, Kylie Minogue, Lily Allen e Tina Turner), Mute (Jethro Tull e Ramones, entre outros nomes) e Chrysalis (Depeche Mode, Moby e Nick Cave & The Bad Seeds).

4 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Visite a página de Notas Musicais no Facebook.

Luca disse...

as gravadoras crescem e o mercado fica cada vez menor ha ha

Rafael M. disse...

Já havia lido sobre essa tentativa de compra da EMI pela Universal. Mas por que o se tem que vender os selos musicais menores para poder efetivar a compra? Esse tipos de acordo que devem ser feitos para tentar comprar uma gravadora são ridículos. Cada vez os selos menores de música ficam prejudicados por conta de atitudes imbecis e mesquinhas de empresários.

Edu M disse...

vc viu que as informações do release estão erradas? Depeche Mode, Moby e Nick Cave sao da Mute e Jethro Tull e Ramones da Chrysalis....