Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sábado, 22 de setembro de 2012

Em forma, Knopfler mergulha no blues (e no folk) no duplo 'Privateering'

Resenha de CD
Título: Privateering
Artista: Mark Knopfler
Gravadora: Mercury Records / Universal Music
Cotação: * * * * 

É preciso dissociar Mark Knopfler do som do Dire Straits - o desativado grupo do qual o artista foi líder e mentor de 1977 a 1995 -  para apreciar a beleza que em Privateering, sétimo álbum solo do cantor, compositor e guitarrista escocês. Duplo, o disco apresenta 20 músicas inéditas da lavra de Knopfler e surpreeende por marcar um mergulho profundo do músico no universo do blues. Se ouvidos aleatoriamente, temas como I Used to Could, Don't Forget Your Hat , Gator Blood e Miss You Blues dariam a impressão de que Privateering é disco de calejado bluesman. Embora o blues seja o ritmo dominante no disco, há canções de espírito folk - como Redbud Tree e Radio City Serenade, destaques do repertório e perfeitas para a voz grave de Knopfler - e há ecos do country norte-americano, sobretudo em Got to Have Something. Se a faixa-título, Privateering, esboça pegada roqueira nesse universo folk e lembra de longe a obra pregressa do astro, Haul Away ressoa certa influência da música celta. Contudo, é mesmo o blues que dá o tom deste álbum refinado entre baladas como Kingdom of Gold, de sotaque irlandês. Reflexo de fase mais contemplativa da vida e obra do artista, Privateering fecha com um blues ao estilo Delta, After The Beanstalk, e lembra que - mesmo distante dos holofotes da mídia - Mark Knopfler continua sendo ótimo guitarrista e compositor.

6 comentários:

Mauro Ferreira disse...

É preciso dissociar Mark Knopfler do som do Dire Straits - o desativado grupo do qual o artista foi líder e mentor de 1977 a 1995 - para apreciar a beleza que em Privateering, sétimo álbum solo do cantor, compositor e guitarrista escocês. Duplo, o disco apresenta 20 músicas inéditas da lavra de Knopfler e surpreeende por marcar um mergulho profundo do músico no universo do blues. Se ouvidos aleatoriamente, temas como I Used to Could, Don't Forget Your Hat , Gator Blood e Miss You Blues dariam a impressão de que Privateering é disco de calejado bluesman. Embora o blues seja o ritmo dominante no disco, há canções de espírito folk - como Redbud Tree e Radio City Serenade, destaques do repertório e perfeitas para a voz grave de Knopfler - e há ecos do country norte-americano, sobretudo em Got to Have Something. Se a faixa-título, Privateering, esboça pegada roqueira nesse universo folk e lembra de longe a obra pregressa do astro, Haul Away ressoa certa influência da música celta. Contudo, é mesmo o blues que dá o tom deste álbum refinado entre baladas como Kingdom of Gold, de sotaque irlandês. Reflexo de fase mais contemplativa da vida e obra do artista, Privateering fecha com um blues ao estilo Delta, After The Beanstalk, e lembra que - mesmo distante dos holofotes da mídia - Mark Knopfler continua sendo ótimo guitarrista e compositor.

Maria disse...

Mark Knopfler pra mim, só no Dire Straits que eu adoro! mas fiquei curiosa pra ouvir o disco pela resenha do Mauro. Sim, ele é um ótimo guitarrista e compositor também.

lurian disse...

O disco está muito bom!

Luca disse...

CD tá bom mesmo!

Márcio disse...

Ainda não ouvi o disco, mas Mark Knopfler tem um magistral trabalho solo, particularmente o feito para trilhas sonoras. Vale a pena procurar e escutar!

Rafael M. disse...

Gosto muito do Mark frente ao Dire Straits, porém ainda não tive a oportunidade de ouvir esse disco dele, do qual tenho lido ótimas críticas pela net afora.