Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sábado, 15 de setembro de 2012

CD 'Em Comum' do NX Zero patina na trivialidade com baladas repetitivas

Resenha de CD
Título: Em Comum
Artista: NX Zero
Gravadora: Midas Music / Universal Music
Cotação: * 1/2

Quinteto paulista que alcançou popularidade entre o público jovem ao longo dos anos 2000, NX Zero tenta em vão esboçar alguma maturidade em seu sétimo álbum, Em Comum, o sexto de estúdio da banda, promovido desde agosto com a faixa Maré, música que o vocalista e compositor do NX Zero alardeia ter sido inspirada em Cotidiano, música de Chico Buarque. Nem é o caso de culpar somente a sonoridade padronizada da produção de Rick Bonadio pela impressão de trivialidade que permeia a quase totalidade das 12 inéditas assinadas por Di Ferrero e o guitarrista Gee Rocha. É o repertório - pontuado por repetitivas baladas que rebobinam clichês românticos com maior ou menor pegada roqueira, casos de Ligação, Hoje o Céu Abriu, Espero um Sinal, Você me Fez e Pedido - que impede Em Comum de alçar o voo pretendido pelo grupo e diluem os eventuais acertos do disco. A introdução, a pegada e a melodia de Sem Hora pra Voltar é um deles. A combinação das guitarras de Gee Rocha e Fi Ricardo na faixa-título Em Comum é outro.Vale destacar também o clima acústico da melancólica canção Nada Mais É Como Era Antes, com a ressalva de que os versos "Me pergunto aonde está / Além de aqui dentro de mim" lembram demais versos de Vento no Litoral, balada tristonha lançada pela Legião Urbana em seu álbum V (1991). Já Guerra por Paz insinua um flerte com o hardcore que poderia ter sido mais bem desenvolvido. Em Comum deixa a triste sensação de que o NX Zero continua preso a um padrão radiofônico que somente atrapalha as (boas) intenções do grupo. Já é hora de mudar o disco e se libertar desse modelo.

7 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Quinteto paulista que alcançou popularidade entre o público jovem ao longo dos anos 2000, NX Zero tenta em vão esboçar alguma maturidade em seu sétimo álbum, Em Comum, o sexto de estúdio da banda, promovido desde agosto com a faixa Maré, música que o vocalista e compositor do NX Zero alardeia ter sido inspirada em Cotidiano, música de Chico Buarque. Nem é o caso de culpar somente a sonoridade padronizada da produção de Rick Bonadio pela impressão de trivialidade que permeia a quase totalidade das 12 inéditas assinadas por Di Ferrero e o guitarrista Gee Rocha. É o repertório - pontuado por repetitivas baladas que rebobinam clichês românticos com maior ou menor pegada roqueira, casos de Ligação, Hoje o Céu Abriu, Espero um Sinal, Você me Fez e Pedido - que impede Em Comum de alçar o voo pretendido pelo grupo e diluem os eventuais acertos do disco. A introdução, a pegada e a melodia de Sem Hora pra Voltar é um deles. A combinação das guitarras de Gee Rocha e Fi Ricardo na faixa-título Em Comum é outro.Vale destacar também o clima acústico da melancólica canção Nada Mais É Como Era Antes, com a ressalva de que os versos "Me pergunto aonde está / Além de aqui dentro de mim" lembram demais versos de Vento no Litoral, balada tristonha lançada pela Legião Urbana em seu álbum V (1991). Já Guerra por Paz insinua um flerte com o hardcore que poderia ter sido mais bem desenvolvido. Em Comum deixa a triste sensação de que o NX Zero continua preso a um padrão radiofônico que somente atrapalha as (boas) intenções do grupo. Já é hora de mudar o disco e se libertar desse modelo.

aguiar_luc disse...

Rick Bonadio tá super explicado!!!!

Anônimo disse...

Sempre foi ruim, querendo ser consagrados criticando a extinta moda "emo" e "família" affff. Isso mesmo rock Bonadio $$$$$.

PS: A capa é perfeita porque tem o toque de FLAVIO ROSSI.

Luiz Fernando disse...

Achei que seria o início de uma boa mudança quando ouvi o "Projeto Paralelo" - ainda que meio chupinhado do Linkin Park -, mas a banda ainda tem que amadurecer muito! O Di tem uma voz bacana e os meninos sabem tocar,até as melodias são boas, mas falta conteúdo e desprendimento com o mercado.

Rafael M. disse...

Bandinha ruim de doer... Nunca fez algo relativamente bom ou essencial para a música brasileira... Bandinha inventada pelas gravadoras para terem lucro fácil e lugar garantido ($$$$) nas rádios nacionais.

Daniel disse...

Eu no começo gostava bastante deles, mas com o passar dos álbuns fui perdendo completamente o encanto...O Di deveria parar de compor e deixar as letras a cargo de outros parceiros. Os temas são os mesmos super infantis de sempre, os mesmos clichês e rimas pobres, chega a dar vergonha alheia. As melodias são bonitas mas o Rick Bonadio empastela tudo com sua produçaõ, enquanto não sairem da aba dele continuarão na mesmice estéril.

Rafael M. disse...

Que saco não publicar meu comentario, hein? Tem gente que pega muito mais pesado com os artistas e nem por isso tem seus comentários deletados aqui. Se deleta os meus comentários, delete os dos que realmente pegam pesado. Só porque falei que a banda é ruim e que foi criada por gravadora para ganhar dinheiro fácil não quer dizer que eu ofendi a banda. Saiba discernir as coisas...