Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Eis a capa do sinfônico CD ao vivo que Gilberto Gil vai lançar em outubro

Com lançamento agendado para outubro de 2012, o CD Concerto de Cordas & Máquinas de Ritmo perpertua 15 dos 21 números gravados ao vivo por Gilberto Gil no excelente show sinfônico apresentado no Theatro Municipal do Rio de Janeiro (RJ), em 28 de maio de 2012, dentro da série MPB & Jazz. O repertório inclui a inédita Eu Descobri (Gilberto Gil) entre abordagens de músicas dos repertórios de Antonio Carlos Jobim (1927 - 1994), Dorival Caymmi (1914 - 2008), Jimi Hendrix (1942 - 1970), Luiz Gonzaga (1912 - 1989), e Osvaldo Farrés (1903 - 1985). De Tom, Gil canta Outra Vez (1974), samba da lavra inicial do Maestro Soberano. De Caymmi, o cantor revive o samba Saudade da Bahia (1957). De Hendrix, a opção foi por Up From The Skies, música lançada pelo trio The Jimi Hendrix Experience em seu segundo álbum, Axis: Bold as Love (1967). De Gonzagão, o cantor recorda o baião Juazeiro (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, 1949). De Farrés, compositor cubano, Gil interpreta o bolero Tres Palabras, gravado por cantores como a cubana Omara Portuondo e o mexicano Javier Solís (1931 - 1966). Eis as faixas do CD/DVD Concerto de Cordas & Máquinas de Ritmo:

1. Máquina de Ritmo (Gilberto Gil)
2. Eu Vim da Bahia (Gilberto Gil) - com citação de Na Baixa do Sapateiro (Ary Barroso, 1938)
3. Estrela (Gilberto Gil) 
4. Quanta (Gilberto Gil)
5. Futurível (Gilberto Gil)
6. Eu Descobri (Gilberto Gil) 
7. Outra Vez (Tom Jobim)
8. Não Tenho Medo da Morte (Gilberto Gil)
9. Juazeiro (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira)
10. Tres Palabras (Osvaldo Farrés)
11. La Renaissance Africaine (Gilberto Gil) 
12. Panis et Circensis (Gilberto Gil e Caetano Veloso)
13. Oriente (Gilberto Gil)
14. Andar com Fé (Gilberto Gil)
15. Domingo no Parque (Gilberto Gil)
16. Quatro Coisas (Gilberto Gil) - somente no DVD/blu-ray
17. Saudade da Bahia (Dorival Caymmi) - somente no DVD/blu-ray
18. Lamento Sertanejo (Gilberto Gil e Dominguinhos) - somente no DVD/blu-ray
19. Up From the Skies (Jimi Hendrix) - somente no DVD/blu-ray
20. Expresso 2222 (Gilberto Gil) - somente no DVD/blu-ray
21. Um Abraço no João (Gilberto Gil) - somente no DVD/blu-ray

6 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Com lançamento agendado para outubro de 2012, o CD Concerto de Cordas & Máquinas de Ritmo perpertua todos os 21 números gravados ao vivo por Gilberto Gil no excelente show sinfônico apresentado no Theatro Municipal do Rio de Janeiro (RJ), em 28 de maio de 2012, dentro da série MPB & Jazz. O repertório inclui a inédita Eu Descobri (Gilberto Gil) entre abordagens de músicas dos repertórios de Antonio Carlos Jobim (1927 - 1994), Dorival Caymmi (1914 - 2008), Jimi Hendrix (1942 - 1970), Luiz Gonzaga (1912 - 1989), e Osvaldo Farrés (1903 - 1985). De Tom, Gil canta Outra Vez (1974), samba da lavra inicial do Maestro Soberano. De Caymmi, o cantor revive o samba Saudade da Bahia (1957). De Hendrix, a opção foi por Up From The Skies, música lançada pelo trio The Jimi Hendrix Experience em seu segundo álbum, Axis: Bold as Love (1967). De Gonzagão, o cantor recorda o baião Juazeiro (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira, 1949). De Farrés, compositor cubano, Gil interpreta o bolero Tres Palabras, gravado por cantores como a cubana Omara Portuondo e o mexicano Javier Solís (1931 - 1966). Eis as 21 faixas do CD Concerto de Cordas & Máquinas de Ritmo:

1. Máquina de Ritmo (Gilberto Gil)
2. Eu Vim da Bahia (Gilberto Gil) - com citação de Na Baixa do Sapateiro (Ary Barroso, 1938)
3. Estrela (Gilberto Gil)
4. Quanta (Gilberto Gil)
5. Futurível (Gilberto Gil)
6. Eu Descobri (Gilberto Gil)
7. Outra Vez (Tom Jobim)
8. Não Tenho Medo da Morte (Gilberto Gil)
9. Juazeiro (Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira)
10. Tres Palabras (Osvaldo Farrés)
11. La Renaissance Africaine (Gilberto Gil)
12. Panis et Circensis (Gilberto Gil e Caetano Veloso)
13. Oriente (Gilberto Gil)
14. Andar com Fé (Gilberto Gil)
15. Domingo no Parque (Gilberto Gil)
16. Quatro Coisas (Gilberto Gil)
17. Saudade da Bahia (Dorival Caymmi)
18. Lamento Sertanejo (Gilberto Gil e Dominguinhos)
19. Up From the Skies (Jimi Hendrix)
20. Expresso 2222 (Gilberto Gil)
21. Um Abraço no João (Gilberto Gil)

Maria disse...

O show foi mesmo um espetáculo!porém, anseio um disco de inéditas de Gil só de sambas como ele havia dito será que vai rolar mesmo?

Maria disse...

Gostei da capa!

Rafael M. disse...

Espero também ansiosamente pelo disco de sambas de Gil que há tanto tempo ele vem falando em fazer, mas estou certo de que o resultado final desse espetáculo sinfônico tenha dado um novo folêgo as canções clássicas dele, resultando em algo incrível! Viva Gil!!!

Rafael M. disse...

Esse disco já se encontra em pré-venda na Itunes.

Unknown disse...

evidentemente, prezado Mauro, o nosso guru mor, nosso queridíssimo eterno ministro da Cultura - muito antes de Lula - Gil já estava nos “ministrando” suas idéias geniais e Muito Brasileiras, administrando nossas emoções e felicidades, desde"O sonho acabou",
http://www.gilbertogil.com.br/sec_disco.php
http://www.gilbertogil.com.br/sec_disco_interno.php?id=7,"Louvação", "Viramundo" (que tem sido um alegre e animado bis de nossos concertos ao redor do mundo), "Ele e eu" ("Ele vive eletriconsumida, consumada ou mudamente
Bem mais calmo
Porque curte cada golpe do martelo
Na bigorna do destino
E na hora do Porto da Barra fica firme") e por aí vai até os dias de hoje (eu que o diga!!!), como dizia, Gilberto Gil é o centro hiper-centrado da questão, oh sorte e fortuna de ser seu contemporâneo, e em seu aniversário de 70 anos, poder testemunhar ao vivo todo esse brilho e ciência que emana de Gil Luminoso!
Entretanto gostaria apenas de informar àqueles aficionados que se interessam por fichas técnicas - e creio que a grande maioria dos seus leitores, assim como eu, o seja, que ‘to make a long story short’, já que passei quatro meses, de meados Dezembro de 2011 a meados Abril totalmente dedicado à elaboração, criação e formatação dos 13 arranjos orquestrais sinfônicos que tornaram-se a espinha dorsal dramática deste espetáculo, regi cinco desses arranjos ao vivo (“Oriente”, Domingo no Parque”, “Quanta”, Panis et Circences e a canção qie dá o título ao album “Máquina de Ritmo”, toquei cello nos outro oito arranjos, regidos por sua vez pelo Maestro Carlos Prazeres, um dos titulares da OPES e titular da OSBA, e interpretados por Gil acompanhado de pequeno ensemble: seu filho Bem Gil nas guitarras e violões, Gustavo di Dalva - percussões, Eduardo Manso - processamente de sons e insersões de samplers além do meu cello (que no show atual, já às voltas com o lançamento do álbum/dvd, tem inéditas cinco cordas), banda essa que interpreta com Gil as canções restantes.
Jaques Morelenbaum