Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


terça-feira, 20 de setembro de 2011

Vercillo responde com samba as vaias que tomou no show de Mautner

Em 17 de janeiro de 2011, Jorge Vercillo foi hostilizado pelo público que assistia no Circo Voador, no Rio de Janeiro (RJ), ao show comemorativo dos 70 anos de Jorge Mautner. Vercillo chegou a ser vaiado quando subiu ao palco para cantar com Mautner, parceiro do compositor de Que Nem Maré. A resposta de Vercillo vai ser dada dez meses após as vaias, em outubro, mês em que vai chegar às lojas o nono álbum de estúdio do cantor, Como Diria Blavatsky. No samba Faixa de Gaza, o artista - visto em foto inédita, feita por Leonardo Aversa para a promoção do disco - manda recado aos que o vaiaram. Eis a letra do samba Faixa de Gaza:

Faixa de Gaza
(Jorge Vercillo)

Fui cantar na festa de um amigo
mas disseram que eu era de outra tribo
Hoje sei, eu sou o mais ingrato,
sou eu o tal bastardo
filho do samba abandonado ...
Quem mandou cruzar fronteiras
na Faixa de Gaza, ali na Lapa ?
Quem mandou sonhar unir jazzistas
com roqueiros-sambistas ?

Pra quem vê de cima, é uma só tribo.
Se você olhar por dentro,
nosso medo cria o inimigo.
No amor, é tão duro o desapego !
Eu bem sei que traz sossego
se imaginar dono de alguém ...
Mas até Monarco e Velha Guarda,
mesmo Dona Ivone Lara
sabe que o samba está além ...

O samba não é de ninguém ...
O samba é de quem lhe quer bem ...
O Amor não tem dono também !
O samba não é de ninguém

O samba vai com quem lhe quer bem ...
O amor não tem dono também, não tem !
O samba não e de ninguém ...

16 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Em 17 de janeiro de 2011, Jorge Vercillo foi hostilizado pelo público que assistia no Circo Voador, no Rio de Janeiro (RJ), ao show comemorativo dos 70 anos de Jorge Mautner. Vercillo chegou a ser vaiado quando subiu ao palco para cantar com Mautner, parceiro do compositor de Que Nem Maré. A resposta de Vercillo vai ser dada dez meses após as vaias, em outubro, mês em que vai chegar às lojas o nono álbum de estúdio do cantor, Como Diria Blavatski. No samba Faixa de Gaza, o artista - visto em foto inédita, feita por Leonardo Aversa para a promoção do disco - manda recado aos que o vaiaram. Eis a letra do samba Faixa de Gaza:

Faixa de Gaza
(Jorge Vercillo)

Fui cantar na festa de um amigo
mas disseram que eu era de outra tribo
Hoje sei, eu sou o mais ingrato,
sou eu o tal bastardo
filho do samba abandonado ...
Quem mandou cruzar fronteiras
na Faixa de Gaza, ali na Lapa ?
Quem mandou sonhar unir jazzistas
com roqueiros-sambistas ?

Pra quem vê de cima, é uma só tribo.
Se você olhar por dentro,
nosso medo cria o inimigo.
No amor, é tão duro o desapego !
Eu bem sei que traz sossego
se imaginar dono de alguém ...
Mas até Monarco e Velha Guarda,
mesmo Dona Ivone Lara
sabe que o samba está além ...

O samba não é de ninguém ...
O samba é de quem lhe quer bem ...
O Amor não tem dono também !
O samba não é de ninguém

O samba vai com quem lhe quer bem ...
O amor não tem dono também, não tem !
O samba não e de ninguém ...

André Luís disse...

Boa, Jorge! Respondendo aos outros com música! Aguardando ansiosamente esse novo álbum do Vercillo.

Zé Henrique disse...

O Vercilo quer fazer crer que o público não tolera ritmos diversos/tribos.
"Quem mandou sonhar unir jazzistas com roqueiros - sambistas?"
Ora, isso já caiu por terra há muito tempo!
O problema é que o público conhecedor de música tem pouca, ou nenhuma, paciência com artistas rasos.
Não confundir tais artistas com os que têm sucesso popular - embora esteja cada vez mais difícil não fazer tal confusão.

PS: Ninguém quer ser dono de nada.
O público tem total direito de vaiar ou aplaudir.

KL disse...

Vaia hoje é tão raro...

Marcia disse...

Estou co o Zé Henrique e não abro!
Ele disse tudo!
Marcia

aguiar_luc disse...

Vaiar! Pura idiotice. Falta de respeito.

Zé Henrique disse...

Idiotice é ser politicamente correto.

aguiar_luc disse...

Ir a um show do Mautner, já imagino um público de mente aberta! Chega um convidado o Correto Vercilo, e daí se o cara é certinho d+, precisa vair, falta de respeito sim, idiotice sim. Não tem necessidade pra isso.

Zé Henrique disse...

A mente é aberta para coisas interessantes, originais, com conteúdo... Quando entra-se em choque com o avesso disso geralmente dá-se uma repulsa.
É normal, humano e, ao contrário do que se pensa, faz o mundo ser melhor.
Não se vive sem um mínimo de hipocrisia, todos sabem, mas não se deve alimentá-la.
Respeito mesmo, em último grau, é vc expressar seus sentimentos.
Há aplausos frios que não valem um centavo e vaias quentes valiosas.
Essa, por exemplo, impulsionou uma música.
Mesmo esta sendo meia boca, gerou algo.
O confronto é uma força geradora, tirar isso do mundo é deixá-lo capenga.

Berna disse...

Tá certo que ninguém tem obrigação de gostar do Jorge ou do estilo dele agora respeito é uma coisa que vc tem independente de gostar ou não...É questão de ter ou não ter caráter, vivemos num país de liberdade de expressão mas, eu jamais posso dizer que ridicularizar um artista ou uma pessoa pelo seu gosto musical, ou pelo seu estilo seja usar a liberdade de expressão...É falta de respeito e de bom senso!

Bia disse...

Eu não sou nenhum pouco fã de Mautner, mas nunca o vaiaria em um show de Vercillo. Liberdade de expressão é uma coisa, não gosta, não aplaude, vaiar um artista que foi ali por convite de um amigo é falta de educação sim.
Quer vaiar, vai pra Brasília vaiar político, eles sim fazem coisas dignas de ser vaiadas.
Gostei da letra de Faixa de Gaza.

Zé Henrique disse...

De clichê, bom senso e politicamente correto o céu tá cheio.
Repito, pela última vez, vaia e aplauso são DIREITOS do público.

PS: Pô, Bia, vaiar político?
Desse jeito vc vai para o céu. :>)

Carla disse...

Eu ate que gosto de algumas musicas do Jorge, mas nao é aquela coisa de pagar pau. É coitado...vaia faz parte, e depois nao precisava fazer musica por isso.
PS: sera que chamaram ele de Djavan de "soja" kkkk?

Eita Zé ta aqui tambem!!!

musica disse...

Achei simplesmente ridiculo isso que fizeram com o Jorge,total falta de respeito com o artista,jamais vaiaria alguém que não curto,coisa de gente mente aberta nada,coisa de gente mal educada....

Theka & Cleber disse...

Problemas todos terão em algum momento da vida. O que nos difere é como resolvemos os problemas. Não me surpreendo que o Vercillo tenha transformado esse lamentável ocorrido em canção, pois é isso que ele sabe fazer de melhor. Sinto muito orgulho de ser fã de alguém com este caráter. Parabéns, Jorge!
Thereza Hohenfeld Szulczewski
hsimagem@gmail.com

Alessandro disse...

Claro que o público tem todo o direito de vaiar. Mas naquela situação o Vercillo era convidado do Mautner, o que, na minha opinião, acabou sendo desrespeitoso com os dois artistas. Não acho, Zé Henrique, que o Jorge Vercillo seja um artista raso. Alguém que cante, toque e componha e que tenha o aval de gente como Maria Bethânia, Marcos Valle, Ivan Lins etc., merece, no mínimo, respeito. Ninguém é obrigado a gostar, claro. E o público da lapa, faça-me um favor! Grande parte que está ali não conhece nada de samba e só diz que gosta porque está na modinha falar que gosta. Assim como está na moda falar mal do Jorge Vercillo. Isso sim soa clichê.