Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


segunda-feira, 6 de julho de 2015

Catto grava Zé Manoel e parceria de Lacerda com Temporão no CD 'Tomada'

Parceria inédita do compositor mineiro César Lacerda com o carioca Fernando Temporão, Um milhão de novas palavras é uma das músicas incluídas no segundo álbum de estúdio de Filipe Catto, Tomada, produzido por Kassin. Gravado em estúdio do Rio de Janeiro (RJ), o disco já está praticamente pronto e sai neste segundo semestre de 2015. Catto - em foto de Ricky Scaff - canta também no CD uma música do compositor pernambucano Zé Manoel, de cujo repertório o cantor e compositor gaúcho escolheu Canção e silêncio, (bela) música que batiza o recém-lançado segundo álbum de Zé Manoel. Outras músicas de Tomada são Partiu - composição de Marina Lima, lançada pela cantora e compositora carioca em show de 2013, mas ainda inédita em disco - e Depois de amanhã, (a primeira) parceria de Filipe Catto com o cantor e compositor carioca Moska.

12 comentários:

Mauro Ferreira disse...

♪ Parceria inédita do compositor mineiro César Lacerda com o carioca Fernando Temporão, Um milhão de novas palavras é uma das músicas incluídas no segundo álbum de estúdio de Filipe Catto, Tomada, produzido por Kassin. Gravado em estúdio do Rio de Janeiro (RJ), o disco já está praticamente pronto e sai neste segundo semestre de 2015. Catto - em foto de Ricky Scaff - canta também no CD uma música do compositor pernambucano Zé Manoel, de cujo repertório o cantor e compositor gaúcho escolheu Canção e silêncio, (bela) música que batiza o recém-lançado segundo álbum de Zé Manoel. Outras músicas de Tomada são Partiu - composição de Marina Lima, lançada pela cantora e compositora carioca em show de 2013, mas ainda inédita em disco - e Depois de amanhã, (a primeira) parceria de Filipe Catto com o cantor e compositor carioca Moska.

Klaudia Alvarez disse...

CD ansiosamente aguardado por todos os fãs de Catto. Que venha Tomada! Vai ser lindo!

Bruno Cavalcanti disse...

Achei uma pena a Marina dar "Partiu" para o Catto gravar. Sem ofensa, mas o acho um verdadeiro porre - principalmente ao vivo. A mim não encantou, não consegui ver uma personalidade até agora. De qualquer maneira, espero que este disco mude minha opinião.

Rafael M. disse...

Adoro o Catto e sei que ele está fazendo algo calcado na qualidade. Como pode alguém não gostar de Catto? É estranho isso.

Bruno Cavalcanti disse...

Coo pode alguém não gostar do Catto?... pergunta bastante estranha essa também. Da mesma forma que não se gosta de funk, de sertanejo universitário, do disco do Caetano ou do livro do Chico. Ainda sobre o Catto - que, dizem, está calcado na qualidade - Mauro, é verdade que haverá uma música inédita da Calcanhotto também? Acabei de ler a respeito, mas a fonte não é lá muito confiável.

Mauro Ferreira disse...

Bruno, por ora, as quatro músicas que garanto estarem no disco são as que estão no texto deste post. Abs, MauroF

antonio jose alves disse...

Catto é biscoito fino, nem todos sabem usufruir de qualidade neste país, onde pseudo intelectuais vivem de espalhar suas críticas azedas... Eu particularmente acho q Marina sabe o que fez e o faz sem titubear... O selo de qualidade que Filipe imprime em sua discografia, me faz acreditar que este cd será incrível, mesmo q um ou outro, na chama da inveja, ache ao contrário... E tenho dito, sem polêmica, sem resposta... Não gostou, não ouça, não leia, não participe, indico Pablo que é mais fácil de entender...

pinto.aa disse...

Catto é bom. Ponto. Já preconceito é uma merda.

Dona Emengarda disse...

"Como pode alguém não gostar do Catto?" Também acho essa pergunta bastante estranha! Gosto é gosto e deve ser respeitado!

BIGODE disse...

Acho Filipe Catto um grande cantor, mas como toda essa nova geração escorrega e feio em algumas escolhas, tive a oportunidade de ver ele ao vivo ao lado da Cida Moreira, ele cantou uma versão de Cicatriz da Nação Zumbi que foi a coisa mais equivocada que já ouvi na vida.....

Acho que assim como a Tulipa, e outros grandes novos nomes da MPB falta direção artistica, alguem prá pôr freios, enfim orientar.....

Mas espero ansioso pelo novo album, gosto muito dele

ADEMAR AMANCIO disse...

Segundo Zuza Homem de Mello - que não é qualquer um - Filipe Catto é um dos melhores da atualidade.Eu pouco conheço.Eu leio resenha mesmo que seja sobre o pior artista de todos os tempos.

@Kamp70 disse...

Boa tarde,

Vou postar novamente um comentário, pois o que postei semana passada parece que sumiu pela rede.
O que tenho que dizer:
1 Quem não conhece Filipe Catto, faça um pequeno esforço e vá ao ao link do projeto natura Musical e ouça o CD Tomada.
Conheça que segue no fim do texto e aí sim, fale a respeito com conhecimento de causa.
2 Discordo totalmente do querido Mauro Ferreira: minha primeira escolha no CD é justamente "Canção e Silêncio", de Zé Manoel. Ficou uma delícia e eu passei todo o CD algumas vezes pra não ser injusta com as composições do próprio Catto, pois gosto sempre das letras dele e muito. A música tem poucos silêncios, mas o que gostamos mesmo é de ouvir a voz do cantor.
3 Ouvi três das novas de Tomada no show de Filipe Catto no Palácio das Artes em BH. O público, dizem que mais de mil pessoas, aplaudiu de pé e ele voltou ao palco duas vezes, só pra ter noção do nível de satisfação do público, composto por maioria bem jovem e que delirou com os arroubos vocais do nosso talentoso intérprete.
4 Quanto à questão de colocar freio em artista com a direção, até diretores cometem erros de julgamento e muita coisa que foi gravada por aí com poderosos não fez sucesso, bem como temos uma leva de porcarias dirigidas por sumidades estourando aí na mídia.

Abraços de uma fã de Filipe Catto e de música boa

Kátia Aparecida Magalhães Provette