Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


domingo, 15 de maio de 2011

RPM disponibiliza quatro (ótimas) músicas do promissor álbum 'Elektra'

De volta à cena neste ano de 2011 com álbum de inéditas (Elektra, previsto para o segundo semestre) e com show dirigido por Ulysses Cruz, o grupo RPM disponibilizou em seu site oficial na manhã deste domingo, 15 de maio, quatro músicas do CD de estúdio. Já disponíveis para download gratuito, as quatro faixas - Dois Olhos Verdes, Crepúsculo, Muito Tudo e Ela É Demais (Pra mim) - formam o primeiro dos três lotes de fonogramas que o quarteto vai lançar em seu site para somente depois editar o álbum Elektra em formato físico. Trata-se do primeiro disco de estúdio do RPM com a formação clássica - Paulo Ricardo (voz e baixo), Luiz Schiavon (teclados), Fernando Deluqui (guitarra) e Paulo P.A. Pagni (bateria) - desde Os Quatro Coiotes (1988). E, a julgar pelas quatro músicas inicialmente disponíveis, vem por aí um CD à altura da fase áurea do grupo. Escolhida para promover a volta do RPM nas rádios, na TV e na web, Dois Olhos Verdes é hit certeiro. A música seduz de imediato com seu batida tecnopop à moda dos anos 80. Ode à dança e à vida noturna, Crespúsculo concilia a pegada original da banda com textura eletrônica mais contemporânea. "Cai a noite / E o sol parece sangrar / Lentamente / Feito film noir", dizem os versos iniciais. Já a introdução de Muito Tudo - outro tema com jeito de hit - repõe o RPM em seu trilho tecnopop original. A letra alfineta o excesso de informação (e de pretensão) e a escassez de conteúdo no moderno mundo multimídia. Em linha bem mais sensual, Ela É Demais (Pra mim) tem letra que se ajusta bem aos vocais lânguidos de Paulo Ricardo. Os versos desse tecnopop perfilam mulher predadora e sádica, objeto inatingível de desejo. Enfim, contra todos os prognósticos pessimistas a respeito desta (quinta) volta do grupo, o lote inicial de faixas do álbum  Elektra mostra que o RPM desta vez retornou fiel a si mesmo, com grande e surpreendente inspiração. 

7 comentários:

Mauro Ferreira disse...

De volta à cena neste ano de 2011 com álbum de inéditas (Elektra, previsto para o segundo semestre) e com show dirigido por Ulysses Cruz, o grupo RPM disponibilizou em seu site oficial na manhã deste domingo, 15 de maio, quatro músicas do CD de estúdio. Já disponíveis para download gratuito, as quatro faixas - Dois Olhos Verdes, Crepúsculo, Muito Tudo e Ela É Demais (Pra mim) - formam o primeiro dos três lotes de fonogramas que o quarteto vai lançar em seu site para somente depois editar o álbum Elektra em formato físico. Trata-se do primeiro disco de estúdio do RPM com a formação clássica - Paulo Ricardo (voz e baixo), Luiz Schiavon (teclados), Fernando Deluqui (guitarra) e Paulo P.A. Pagni (bateria) - desde Os Quatro Coiotes (1988). E, a julgar pelas quatro músicas inicialmente disponíveis, vem por aí um CD à altura da fase áurea do grupo. Escolhida para promover a volta do RPM nas rádios, na TV e na web, Dois Olhos Verdes é hit certeiro. A música seduz de imediato com seu batida tecnopop à moda dos anos 80. Ode à dança e à vida noturna, Crespúsculo concilia a pegada original da banda com textura eletrônica mais contemporânea. "Cai a noite / E o sol parece sangrar / Lentamente / Feito film noir", dizem os versos iniciais. Já a introdução de Muito Tudo - outro tema com jeito de hit - repõe o RPM em seu trilho tecnopop original. A letra alfineta o excesso de informação (e de pretensão) e a escassez de conteúdo no moderno mundo multimídia. Em linha bem mais sensual, Ela É Demais (Pra mim) tem letra que se ajusta bem aos vocais lânguidos de Paulo Ricardo. Os versos desse tecnopop perfilam mulher predadora e sádica, objeto inatingível de desejo. Enfim, contra todos os prognósticos pessimistas a respeito desta (quinta) volta do grupo, o lote inicial de faixas do álbum Elektra mostra que o RPM desta vez retornou fiel a si mesmo, com grande e surpreendente inspiração.

André Luís disse...

Gostei das músicas, principalmente "Dois olhos verdes" e "Muito tudo". Vamos ver o que o álbum completo nos traz...

Luca disse...

Gostei também de Dois olhos verdes e de Muito tudo, só que acho que a época do RPM já foi.

André Luís disse...

Estou longe de ser um fã do RPM (gosto de algumas pouquíssimas coisas que conheço), mas se for comparar com o que é produzido no cenário atual do Pop-Rock, devo desejar vida eterna ao RPM! hehehe

As únicas "épocas que já foram" são as de certas 'coisas' dos anos 90 que prefiro nem citar. Fora isso, temos coisas na atualidade também que estão precisando urgente "sair de cartaz"!

denisnaja disse...

Realmente o RPM volta às origens... "Ela é demais" vem na mesma linha de "Rainha", que era uma música promissora no álbum MTV 2002. Já "Muito Tudo" toma as bases politizadas das letras dos anos 80. "Dois olhos verdes" e "Crepúsculo" vem com bases mais dançantes, bem "modernosas", a cara do RPM 80 que inovou com a "tecladeira" do mestre Luíz...
Vida longa aos Coiotes!!!

Unknown disse...

Mauro,PARABÉNS pela critica,extremamente equilibrada e que demonstra que vc realmente ouviu com atenção a proposta!
essas músicas do Rpm são DE LONGE,as melhores coisas dentro do que chamamos de "comercial bem-feito",feitas na música nacional nos últimos tempos.
Paulo além de bonito,continua um grande letrista(vide "muito tudo"),além de com Schiavon,saberem como ninguém construir melodias comerciais e de bom gosto.
independente de vendas,essa volta REALMENTE tem cara de séria,e a galera vai aprender agora,como se faz pop rock de qualidade,pois Restart e afins,não dá mais.
PARABÉNS AO RPM,pelo excelente trabalho.

Unknown disse...

Mauro,PARABÉNS pela critica,extremamente equilibrada e que demonstra que vc realmente ouviu com atenção a proposta!
essas músicas do Rpm são DE LONGE,as melhores coisas dentro do que chamamos de "comercial bem-feito",feitas na música nacional nos últimos tempos.
Paulo além de bonito,continua um grande letrista(vide "muito tudo"),além de com Schiavon,saberem como ninguém construir melodias comerciais e de bom gosto.
independente de vendas,essa volta REALMENTE tem cara de séria,e a galera vai aprender agora,como se faz pop rock de qualidade,pois Restart e afins,não dá mais.
PARABÉNS AO RPM,pelo excelente trabalho.