Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sexta-feira, 14 de outubro de 2011

Marisa vai de Dalva a Amarante em 'O Que Você Quer Saber de Verdade'

Com capa assinada pelo diretor de arte Giovanni Bianco, o oitavo álbum solo de Marisa Monte, O Que Você Quer Saber de Verdade, entra em pré-venda a partir desta sexta-feira, 14 de outubro de 2011. Nas lojas do Brasil e de cerca de 30 países a partir de 31 de outubro, em lançamento mundial orquestrado pela gravadora EMI Music, o álbum traz 14 músicas entre inéditas e temas já gravados. A faixa-título - O Que Você Quer Saber de Verdade, parceria de Marisa com Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown - já foi lançada por Arnaldo em seu álbum Qualquer (2006). Dentre as regravações, a real surpresa é Lencinho Querido (El Pañuelito), versão em português feita por Maugeri Neto a partir da letra original do tango argentino  composto por Juan de Dios Filiberto e Gabino Coria Peñaloza. Repaginado por Marisa Monte em Buenos Aires, o tango Lencinho Querido foi popularizado no Brasil na voz de Dalva de Oliveira (1917 - 1972) em gravação lançada em setembro de 1956. Outra curiosidade do repertório é a primeira parceria de Marisa com Rodrigo Amarante, O Que se Quer, gravada em dueto com o coautor da música. O Que Você Quer Saber de Verdade foi mixado nos Estados Unidos, entre Los Angeles e Nova York, pelo engenheiro de som Patrick Dillet e pelo produtor Mario Caldato. Bem antes da mixagem, Caldato  fez a conexão de Marisa com o maestro norte-americano Miguel Atwood-Ferguson, arranjador de faixas como Descalço no Parque e Verdade, Uma Ilusão (parceria de Marisa com Arnaldo e Brown que já havia sido lançada por Brown em 2010 em seu álbum Diminuto). Eis as 14 músicas do CD O Que Você Quer Saber de Verdade

1. O Que Você Quer Saber de Verdade (Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte)
2. Descalço no Parque (Jorge Ben Jor)
3. Depois (Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte)
4. Amar Alguém (Dadi e Marisa Monte)
5. O Que Se Quer (Marisa Monte e Rodrigo Amarante) - com Rodrigo Amarante
6. Nada Tudo (André Carvalho)
7. Verdade, Uma Ilusão (Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte)
8. Lencinho Querido (El Pañuelito) (Juan de Dios Filiberto e Gabino Coria Peñaloza em
    versão de Maugeri Neto)
9. Ainda Bem (Marisa Monte e Arnaldo Antunes)
10. Aquela Velha Canção (Carlinhos Brown e Marisa Monte)
11. Era Óbvio (Arnaldo Antunes e Marisa Monte)
12. Hoje Eu Não Saio Não (Arnaldo Antunes, Betão, Chico Salém e Marcelo Jeneci)
13. Seja Feliz (Arnaldo Antunes e Marisa Monte)
14. Bem Aqui (Arnaldo Antunes e Dadi)

40 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Com capa assinada pelo diretor de arte Giovanni Bianco, o oitavo álbum solo de Marisa Monte, O Que Você Quer Saber de Verdade, entra em pré-venda a partir desta sexta-feira, 14 de outubro de 2011. Nas lojas do Brasil e de cerca de 30 países a partir de 31 de outubro, em lançamento mundial orquestrado pela gravadora EMI Music, o álbum traz 14 músicas entre inéditas e temas já gravados. A faixa-título - O Que Você Quer Saber de Verdade, parceria de Marisa com Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown - foi lançada por Arnaldo em seu álbum Qualquer (2006). Dentre as regravações, a surpresa é Lencinho Querido (El Pañuelito), versão em português feita por Maugeri Neto a partir da letra original do tango argentino composto por Juan de Dios Filiberto e Gabino Coria Peñaloza. Repaginado por Marisa Monte em Buenos Aires, o tango Lencinho Querido foi popularizado no Brasil na voz de Dalva de Oliveira (1917 - 1972) em gravação lançada em setembro de 1956. Outra curiosidade do repertório é a primeira parceria de Marisa com Rodrigo Amarante, O Que se Quer, gravada em dueto com o coautor da música. O Que Você Quer Saber de Verdade foi mixado nos Estados Unidos, entre Los Angeles e Nova York, pelo engenheiro de som Patrick Dillet e pelo produtor Mario Caldato. Antes da mixagem,. Caldato fez a conexão de Marisa com o maestro norte-americano Miguel Atwood-Ferguson, arranjador de faixas como Descalço no Parque e Verdade, Uma Ilusão (parceria de Marisa com Arnaldo e Brown que já havia sido lançada por Brown em 2010 em seu álbum Diminuto). Eis as 14 músicas do CD O Que Você Quer Saber de Verdade:

1. O Que Você Quer Saber de Verdade
2. Descalço no Parque
3. Depois
4. Amar Alguém
5. O Que Se Quer - com Rodrigo Amarante
6. Nada Tudo
7. Verdade, Uma Ilusão
8. Lencinho Querido (El Pañuelito)
9. Ainda Bem
10. Aquela Velha Canção
11. Era Óbvio
12. Hoje Eu Não Saio Não
13. Seja Feliz
14. Bem Aqui

Rhenan Soares disse...

Amém! Saiu a pré-venda/data de lançamento!
Surpresas muito agradáveis!
.
Aliás, que quinta-feira feliz essa. Chico anunciando turnê, Marisa anunciado o lançamento do albúm... ohh sorte!

bloggerama disse...

http://www.fotolog.com.br/marisamonte/102181041

Leonardo Ribeiro - Personal Dancer - BH disse...

Não consigo gostar dessas capas da Marisa...

Luca disse...

Capa é bonita, Leonardo, colorida, chamativa, bem diferente daquela capa feia e preta do Infinito particular.

Tudo foi feito ... disse...

Também achei a capa bem feia. Aliás, esse Giovanni Bianco tem uma mania de colocar um monte de cores nas coisas, não gosto não. Todas as campanhas dele são sempre parecidas.

Anônimo disse...

A capa é linda.
O x da questão é o conteúdo.
Pela faixa título(uma nova Vilarejo) e pelo single Ainda Bem acho que parei por aqui com a moça.
Marisa virou uma cantora tatibitate - canta como se fosse uma enfermeira falando a pacientes velhinhos.

Eduardo Cáffaro disse...

Capa Horrível. O mal gosto tá demais em 2011. To até com medo da capa da Gal. Tomara que seja melhor.

lurian disse...

Gostei da imagem da capa, mas não gostei do tamanho das letras...ficou meio over... meio Almodóvar.

Romani disse...

Capinha horrenda. Estética velha e poluída, da imagem à tipologia, tudo de péssima qualidade. Esse Giovanni Bianco já deu.... Pelo menos na época da "Bianco & Cucco" ao lado da Susanna Cucco, em Milão, os dois fizeram trabalhos realmente interessantes. Agora virou só badalação e pouco resultado. Apenas pra dar um clima falsamente sofisticado na ficha técnica do cd, pois de "arte" não tem nada nessa direção...

Fernanda disse...

Essa capa remete àqueles cartazes paupérrimos (que usam recursos manjadíssimos de photoshop, querendo ser "alegres" e "atraentes") de feira varejista de moda praia. Tremendo mau gosto. Essa gente pensa que basta ter um nome badalado assinando o trabalho pra convencer. Nem todo mundo é ingênuo assim.

J disse...

Capa linda! Vms ver se as músicas são boas. tô ancioso para ouvir o disco.

Jardel Barros disse...

Amei essa capa! Linda, linda, linda! Mas não vou comprar, não sou tão fã de Marisa assim. Mas amei a capa!

Gill Sampaio Ominirò disse...

A capa está linda, muito alegre. E se parece com Almodovar, melhor ainda. Cada uma!!!

João Victor Torres disse...

Amei a capa. Oh povo para gostar de por defeito. A instância de recepção é muito fragmentada.

KL disse...

foi uma grande a surpresa ler os comentários (lúcidos) sobre essa 'capa', que na minha opinião não serviria nem para ilustrar um perfil de Facebook. Tudo o que escreveram antes eu reitero, e digo mais: é parecidíssima com aquela (idem cafona) de Maria Rita, "Samba Meu", também de chapéu e também mostrando a axila como se dissesse(m): "Agora com vocês, meu sovaco. Ele canta bem melhor do que eu".

André disse...

Gostei da capa também, achei com referências do Andy Warhol dos anos 60. Marisa nunca faz estas capas bobinhas tipo o cd Elo da Maria Rita.
André Luiz

Anônimo disse...

Lindíssima capa. Já garanti o meu na pré-venda! :P

Felipe Grilo disse...

Ela postou no soundcloud 30seg de cada música.

http://soundcloud.com/marisamonte

E não gostei mto da capa não.

J disse...

Ouvi trechos do disco, agora, no blog: gostei muito! As músicas são lindas e têm uma coerência com o gosto de Marisa. Algo que vai da bossa a Roberto Carlos. A música com o Amarante é muito boa! A que abre o disco e o entitula é linda e, "nada tudo" é bem moderna. Tá um discão! Bom de pegar estrada, dirigindo, ouvindo gostoso. Marisa, desta vez (dentre outras), acertou a mão.

Anônimo disse...

Ouvi os trechinhos das músicas e...
Só gostei de 2 ou 3.
Que triste(mesmo) ver, e ouvir, aonde Marisa Monte foi parar.

Jeferson Garcia disse...

Gente, será que eu tenho problema???

Achei a capa muito bacana e depois da sugestão do Felipe ouvi e me apaixonei de cara pelo CD. Tem cara de Marisa com pitadas de Benjor, de Roberto Carlos e claro de Arnaldo+Brown.

Devo ser fã demais ou a idade me deixou menos criterioso!!!

Pedro Progresso disse...

A capa está linda, porém remete a Celebration, o último disco de Madonna, onde a pop art reinou na capa e nos encartes.

Ouvi os trechos das músicas e achei tudo muito melhor que o primeiro single... "ainda bem"!

KL disse...

fato preocupante: se, dessa vez, nem mesmo Zé Henrique fã aprovou, então a coisa é séria.

falsobrilhante disse...

Pouca ou nenhuma importância tem a capa em relação ao conteúdo do disco que, a julgar pela amostra muito mal inspirada (pelo menos na letra) AINDA BEM, promete quase nada de bom.

Drix disse...

Acho que as opiniões de alguns ranzinzas, sendo fãs ou não, não têm muito valor para aqueles que, como eu, não são fãs.

aliás, neste blog, ultimamente, tem reinado um tal de "não gostar" de nada. sempre as mesmas, figurinhas carimbadas, 'do contra'... hehehe

eu gostei muito do (pouco) que ouvi nos trechos de 30 segundos que alguns sites têm mostrado. a música título tem uma interpretação muito bonita, bem como a letra que é bem positiva.

as regravações do benjor e uma bossa do carlinhos brown, são bem legais. e as baladas, me soaram maduras, bem diferentes da latina 'ainda bem'.

eu acho que hoje, no brasil, ngm faz uma "rádio FM" com tamanha qualidade quanto marisa monte. seu som é pessoal, inédito e soa bonito e interessante aos ouvidos.

ela tem capricho com a sua música e parece não querer esse papel de cantora clássica de mpb - ao que me parece. quer é fazer suas músicas, com seus parceiros e, neste disco, parece ter acertado.

acho que ela faz bem aquilo se propõe. canções inéditas suas, com parceiros, com arranjos refinados, bem produzidas, embrulhadas de presente para o seu público.

respeito muito isso.

Fernando Lima disse...

Fiquei maravilhado com os trechos das canções, que têm tudo a ver com o clima feliz da capa!!

Acho que vem no mesmo clima delicado do incrível "Infinito Particular", um dos melhores discos que já ouvi, onde Marisa canta com perfeição, equilibrando com maestria emoção e técnica.

Os vocais desse disco novo me fizeram lembrar imediatamente do disco "Cantar", de Gal.

Não vejo a hora de ouví-lo na íntegra.

KL disse...

Alguém aqui chegou ao cúmulo de comparar esse cedê ao estiloso "Cantar", de Gal Costa, no qual há uma das faixas mais lindas entre todas já gravadas por qualquer cantora em todos os tempos, a desalterante (e injustamente esquecida) "Lágrimas Negras", de Mautner e Jacobina. Escrevi isso aqui só para dizer que ouvi os tais segundos iniciais de cada faixa desse mp3 novo de Marisa Monte e posso dizer, com segurança, de que nem Mario Caldato nem edição nos EUA resgatam um trabalho como esse da absoluta mediocridade. E - por incrível que pareça - a tal baladinha "Ainda Bem" é a menos pior entre todas as outras faixas, que valem o quanto pesam, ou seja: nada.

Drix disse...

Esse KL é de uma revolta, né gente? Chega a assustar... hehehehe...
Quanta raiva, quanta bravura meu 'deuzu'!

J disse...

Realmente Marisa tem muito da Gal. Não somente o ecletismo da escolha do repertório (de "festa no interior" e "chuva de prata" a "vapor barato" e "dindi", bem como o jeito de cantar. A influência é nítida.

Aliás, "cantar", é um disco bem presente nos discos (últimos) de Marisa. Concordo. É "leve", quase lounge. O jeito de Marisa cantar então, é bem Gal de "cantar" mesmo...

E não adianta os "rebeldes de plantão" marcarem ofensiva. Fato é fato. Não adianta espernear, puxar cabelo, se revoltar... rs

Eu concordo muito com o colega que disse que a MM não quer este posto de cantora clássica de MPB (tem a maria irrita pra isso... rs).

Marisa quer fazer o 'seu som', 'sua música' com sua trupe. Tá certa! Tá fazendo bonito! Tá honesta com o (bom e mal) gosto. Tá trazendo o ineditismo à sua forma. Faz uma rádio FM classuda, mesmo.

Quem não gosta, que ouça outras. Tem tantas por aí... rs.

André disse...

Falem o que quiser Marisa para alguns poucos não agrada. Mas será que estes poucos fazem a diferença?
O tababalho ainda não foi lançado é ja É um sucesso absoluto. Lançamento do cd vai vender? SIM
Shows vão lotar? SIM
A crítica nacional e internacional vai elogiar (merecidamente)? SIM

Não adianta negar são 25 anos de uma carreira bem construída, de uma voz bem cuidada e deum respeito a música incondicional.
Coitado dos poucos chatos, fica uma dica não leiam as colunas de músicas pelos próximos meses, pois não quero que se irritem com as muitas críticas positivas que o cd e o novo show terão. Aguardem!!!

KL disse...

a todos os que se dirigiram direta ou indiretamente a mim: do mesmo modo que vocês têm o direito de gostar, eu tenho de não-gostar. Ela pode agradar a quem quiser, ao país inteiro, até ao mais remoto ponto em Papua, Nova Guiné, que ainda assim continuará, para mim, um som medíocre e descartável.
E, volto a dizer, MM hoje não tem NADA a ver com o canto mavioso e hipnotizante de Gal nos anos 1970 nem com o conceito origial dos álbuns que ela produziu entre 1968 e 1978.
Ouçam Marisa, e respeitem o direito de quem não quer ouvi-la por quaisquer que sejam os motivos.

Au revoir.

Guilherme disse...

Não concordo com todas as críticas do KL, mas acho super válida a presença dele nessas discussões. Aliás, sou um antigo fã da Marisa e vejo, a partir das prévias que ouvi, que ela é uma cantora que precisa cada vez mais de uma produção requintada para sustentar sua obra autoral. Eu odiei Ainda Bem e ela foi a que mais me chamou a atenção entre todos os trechos. E citando Lágrimas Negras, belezas sao coisas acesas por dentro. Esse disco de Marisa parece que será bem apagado...

EDELWEISS1948 disse...

SOBRE A CAPA, MARISA DEVE ESTAR FALANDO COMO A ELIS DIZIA ¨EU GOSTO ¨ NÃO SEI SE O DISCO É BOM, MAS SO A HOMENAGEM A DALVA, JA VALE. ESSA TURMA GOSTA DE DAR PALPITES.

KL disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
KL disse...

Guilherme,

Obrigado pelo apoio a mim e à minha participação no blog, e é muito bom debater sobre um tema com quem tem argumentos sustentáveis, mesmo que sejam diferentes dos nossos. Quando ouvi MM pela primeira vez, gostei demais da voz, e posteriormente, ao ver o primeiro vídeo, achei a performance inspiradora. A partir do segundo álbum, eu já não percebi uma evolução no sentido da sofisticação acenada naquele, e sim um mergulho no tipo de canção que, sinceramente, não motiva um músico mediano a executar no instrumento ou a cantar num show. Aquele negócio de "beija eu, beija eu" etc, realmente, não empolga e parece o tipo de faixa moldada para FM. Por outro lado, a produção mais recente, calcada em Arnaldo Antunes e Carlinhos Brown, pode soar vanguardista, mas não realiza a promessa de renovação da música popular.
Creio que a carreira dela daria um grande salto se encontrasse o produtor ideal - que a ajudasse a escolher o repertório - e um arranjador de peso. Eu torço para que ela acorde, mas parece que as chances são remotas: "Quem sabe, talvez, um dia..."

Fabber disse...

Marisa Monte esta cada vez melhor, cantora contemporânea, moderna e de qualidade. Algo cada vez mais dificil no Brasil. A capa tem tudo a ver com as músicas, com o momento feliz e de bem com a vida que MM está passando, portanto quis transmitir tudo isso na Capa do disco, cores, felicidade e amor!
O KL está criticando muito, tudo capa, disco, voz, cantora e diz que a GAl dos anos 70 era melhor.. tal, etc... MM não é GAl, Marisa é mais moderna e contemporÂnea. Acho que nem a Gal 2011 é melhor que Gal 1970....
Parabens Marisa capa belissima, tudo a ver com o produto final, coerência pura! DEZ!

Eduardo disse...

No site da Marisa, o crédito de autoria de "Lencinho Querido" é FREDERICO ESPOSITO / VERSÃO: HAROLDO BARBOSA. No entanto, no encarte do cd, o crédito é JUAN DE DIOS FILIBERTO / GABINO CORIA PEÑALOZA - VERSÃO WAGNER MAUGERI NETO COM CAFÉ DE LOS MAESTROS. Qual está certo?

Mauro Ferreira disse...

Valente, até onde sei, o crédito correto é o do encarte do CD. Abs, mauroF

Unknown disse...

A polêmica sobre Frederico Espósito e Juan de Diós Filiberto deve-se - oenso eu- ao teor do tango. Inicialmente falava de um lencinho bordado com fios de cabelo da pessoa apaixonada, que teria sido desprezado pela pessoa amada. Depois passou a ser o lenço com a impressão dos lábios da amada... Mas penso que a linha melódica é mesmo de Juan de Diós Filiberto.