Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


terça-feira, 18 de outubro de 2011

Danilo canta com leveza migrações geográficas e existenciais em Alvear

Resenha de CD
Título: Alvear
Artista: Danilo Caymmi
Gravadora: Biscoito Fino
Cotação: * * * 1/2

Enquanto Dori Caymmi mergulha nostálgico nas tradições das canções praieiras que fizeram emergir a genialidade do patriarca de seu clã, um certo Dorival Caymmi (1914 - 2008), no recém-lançado álbum de inéditas Poesia Musicada, seu irmão mais novo, Danilo, mira o futuro e renova parcerias em Alvear, disco também de inéditas posto nas lojas pela gravadora Biscoito Fino. "Se eu me perder, venha comigo / Venha me encontrar, perto do alvear", dá a dica em versos de Alvear (Danilo Caymmi e Ronaldo Bastos), faixa-título do disco produzido por Flávio Mendes. Com leveza urdida pelos arranjos criados por Mendes em parceria com o próprio Danilo, Alvear versa sobre migrações geográficas e existenciais. "Perdidos os sapatos e o destino / Minha imagem falha em cintilar / desbravando o nada, colhendo o vento", canta em Arabesco, uma das três parcerias de Danilo com sua filha Alice Caymmi incluídas no repertório essencialmente inédito e autoral de Alvear (as outras são Presente e Painel, esta criada também com Paulo César Pinheiro). Arabesco é pico poético de disco que se repete - com dose cavalar de emotividade - em Retirança (Danilo Caymmi e Paulo César Pinheiro), tema sobre o deslocamento dos retirantes que migram do agreste para fugir da seca que assola o sertão nordestino. Introduzida por flautas que evocam arranjos feitos pelo mano Dori em tempos idos, Retirança é faixa adensada pela voz já naturalmente intensa de Nana Caymmi, em certeira participação no álbum. Se Canção do Amor Rasgado (Danilo Caymmi e Geraldo Carneiro) é o que anuncia seu título, Flor do Caos (outra parceria de Danilo com Carneiro) desabrocha entre clichês poéticos sobre o amor. Além de compor com Alice Caymmi, Danilo inaugura em Alvear parceria com Arthur Verocai, com quem assina Okê Arô - de versos desiludidos como "Eu vim de muitos sonhos, me perdi / Do homem sonhador / Só resta o caçador" - e Um Air Embaumé (de letra em português, apesar do título em francês que faz referência ao perfume usado pela mãe do artista, Stella Maris, morta em 2008). Se Assunto de Saudade (Danilo Caymmi e Paulo César Pinheiro) roça a pegada dos sambas-canções ouvidos no tom mais íntimo das boates, A Vida Vai Mudar (Danilo Caymmi e Dudu Falcão) rebobina o tema já ouvido pelos telespectadores da minissérie Tereza Batista (TV Globo, 1992). Enfim, ao mesmo tempo em que olha inevitavelmente para trás ao refletir com certa melancolia sobre as migrações geográficas e existenciais, Danilo Caymmi não se refugia no mar do passado neste renovador Alvear, CD repleto de poesia. "Tudo que puder fazer eu vou tentar / Mesmo que não fique tudo no lugar", conclui em versos da faixa sintomaticamente intitulada Presente.

7 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Enquanto Dori Caymmi mergulha nostálgico nas tradições das canções praieiras que fizeram emergir a genialidade do patriarca de seu clã, um certo Dorival Caymmi (1914 - 2008), no recém-lançado álbum de inéditas Poesia Musicada, seu irmão mais novo, Danilo, mira o futuro e renova parcerias em Alvear, disco também de inéditas posto nas lojas pela gravadora Biscoito Fino. "Se eu me perder, venha comigo / Venha me encontrar, perto do alvear", dá a dica em versos de Alvear (Danilo Caymmi e Ronaldo Bastos), faixa-título do disco produzido por Flávio Mendes. Com leveza urdida pelos arranjos criados por Mendes em parceria com o próprio Danilo, Alvear versa sobre migrações geográficas e existenciais. "Perdidos os sapatos e o destino / Minha imagem falha em cintilar / desbravando o nada, colhendo o vento", canta em Arabesco, uma das três parcerias de Danilo com sua filha Alice Caymmi incluídas no repertório essencialmente inédito e autoral de Alvear (as outras são Presente e Painel, esta criada também com Paulo César Pinheiro). Arabesco é pico poético de disco que se repete - com dose cavalar de emotividade - em Retirança (Danilo Caymmi e Paulo César Pinheiro), tema sobre o deslocamento dos retirantes que migram do agreste para fugir da seca que assola o sertão nordestino. Introduzida por flautas que evocam arranjos feitos pelo mano Dori em tempos idos, Retirança é faixa adensada pela voz já naturalmente intensa de Nana Caymmi, em certeira participação no álbum. Se Canção do Amor Rasgado (Danilo Caymmi e Geraldo Carneiro) é o que anuncia seu título, Flor do Caos (outra parceria de Danilo com Carneiro) desabrocha entre clichês poéticos sobre o amor. Além de compor com Alice Caymmi, Danilo inaugura em Alvear parceria com Arthur Verocai, com quem assina Okê Arô - de versos desiludidos como "Eu vim de muitos sonhos, me perdi / Do homem sonhador / Só resta o caçador" - e Um Air Embaumé (de letra em português, apesar do título em francês que faz referência ao perfume usado pela mãe do artista, Stella Maris, morta em 2008). Se Assunto de Saudade (Danilo Caymmi e Paulo César Pinheiro) roça a pegada dos sambas-canções ouvidos no tom mais íntimo das boates, A Vida Vai Mudar (Danilo Caymmi e Dudu Falcão) rebobina o tema já ouvido pelos telespectadores da minissérie Tereza Batista (TV Globo, 1992). Enfim, ao mesmo tempo em que olha inevitavelmente para trás ao refletir com certa melancolia sobre as migrações geográficas e existenciais, Danilo Caymmi não se refugia no mar do passado neste renovador Alvear, CD repleto de poesia. "Tudo que puder fazer eu vou tentar / Mesmo que não fique tudo no lugar", conclui em versos da faixa sintomaticamente intitulada Presente.

lurian disse...

A familia Caymmi tem feito trabalhos muito bons!

Mauro, não teremos resenha dos discos do Lirinha e do Chico Lobo?

Mauro Ferreira disse...

Teremos, Lurian. Mas eu sou um só para dezenas de discos que chegam a cada semana. Ambos estão na fila. Assim como Lenine, Luiza Possi, Bjork, The Kooks, Noel Gallagher... Abs, MauroF

lurian disse...

Mauro,

Obrigado pela resposta. Entendo que dá trabalho.

Abraços.

Luca disse...

Se tem Nana, tô dentro.

Renato Vieira disse...

Queria saber como ficou a regravação de Branca..

Cris Carriconde disse...

é mesmo muito lindo esse disco. Fui ao show de lançamento!