Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


terça-feira, 1 de novembro de 2011

Jussara Silveira dá show no irretocável e preciso CD 'Ame ou se Mande'

Resenha de CD
Título: Ame ou se Mande
Artista: Jussara Silveira
Gravadora: Joia Moderna / Tratore
Cotação: * * * * *

Sexto disco de Jussara Silveira, Ame ou se Mande é o registro de estúdio do show que a cantora estreou em fevereiro de 2011 dentro da programação do Tabuleiro da Bahia, projeto do Centro Cultural Banco do Brasil. Produzido pelo percussionista Marcelo Costa e o tecladista Sacha Amback para a gravadora Joia Moderna, o CD soa irretocável como o show e reitera as qualidades desta cantora mineira que explicita sua vivência baiana em Ifá (Cezar Mendes e Capinam) -  tema inédito, envolto em  ligeira aura bossa-novista por Costa e Amback - e em Doce Esperança (Roberto Mendes e J. Velloso), tema no qual Costa evoca a força dos tambores afro-baianos. Inspiradas, tais músicas poderiam figurar no repertório de qualquer disco de Maria Bethânia. Mas estão no melhor disco de Jussara e ganham registro preciso na voz límpida desta intérprete dona de canto preciso, urdido sem firulas e excessos, com a combinação exata de técnica e emoção implícita. Jussara é cantora inteligente, de faro apurado para garimpar e depurar repertório. A propósito, Ame ou se Mande alcança pico de sedução quando Jussara lustra joia do trio tribalista formado por Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte. Contato Imediato é linda, simples e melodiosa balada que ficou escondida em disco de Arnaldo, o mesmo Qualquer (2006) no qual também jazia esquecida O Que Você Quer Saber de Verdade, música que dá nome ao disco lançado esta semana por Marisa Monte. Os efeitos dos teclados de Sacha Amback salpicam sons espaciais ao longo do criativo arranjo. Tivesse o Brasil ouvindos mais atentos, o País celebraria este disco em que Jussara  aborda com a mesma maestria essa pérola tribalista, um tema serelepe como Marcianita (José Imperatore Marcone e Galvarino Villota Alderete em versão de Fernando César) - sucesso há anos entre o público seleto que assiste aos shows da cantora - e sagrada canção de Caetano Veloso, Madre Deus, composta para a trilha sonora de balé do Grupo Corpo, Onqotô (2005), assinada pelo compositor com José Miguel Wisnik. E por falar em Wisnik, é dele a música de Tenho Dó das Estrelas, posta sobre versos reluzentes de Fernando Pessoa (1888 - 1935). Na voz de Jussara Silveira, o jogo de palavras poliglotas armado por Zeca Baleiro na letra da canção Babylon dá a vitória a essa cantora que vai de A Voz do Coração (Celso Fonseca e Ronaldo Bastos) a Dê um Rolê (Moraes Moreira e Luiz Galvão, eco dos desbundes da Gal Fa-Tal e dos Novos Baianos) em onze faixas sem erros ou deslizes. Entre uma e outra, Jussara registra Bom (André Carvalho e Quinho) - samba cool que o emergente André Carvalho, filho de Dadi, lançou em seu primeiro disco, Tempo do Tanto (2010) -  e se banha na luz solar de O Dia que Passou (Toni Costa e Luiz Ariston), faixa na qual Marcelo Costa e Sacha Amback citam (apropriadamente)  Here Comes the Sun (George Harrison). No todo, Ame ou se Mande se impõe como um dos grandes discos de 2011 pelo perfeita sintonia entre produção, arranjos, repertório, o virtuosismo dos dois músicos e o canto preciso de Jussara Silveira. Isso é o que você precisa saber de verdade...

22 comentários:

Mauro Ferreira disse...

Sexto disco de Jussara Silveira, Ame ou se Mande é o registro de estúdio do show que a cantora estreou em fevereiro de 2011 dentro da programação do Tabuleiro da Bahia, projeto do Centro Cultural Banco do Brasil. Produzido pelo percussionista Marcelo Costa e o tecladista Sacha Amback para a gravadora Joia Moderna, o CD soa irretocável como o show e reitera as qualidades desta cantora mineira que explicita sua vivência baiana em Ifá (Cezar Mendes e Capinam) - tema inédito, envolto em ligeira aura bossa-novista por Costa e Amback - e em Doce Esperança (Roberto Mendes e J. Velloso), tema no qual Costa evoca a força dos tambores afro-baianos. Inspiradas, tais músicas poderiam figurar no repertório de qualquer disco de Maria Bethânia. Mas estão no melhor disco de Jussara e ganham registro preciso na voz límpida desta intérprete dona de canto preciso, urdido sem firulas e excessos, com a combinação exata de técnica e emoção implícita. Jussara é cantora inteligente, de faro apurado para garimpar e depurar repertório. A propósito, Ame ou se Mande alcança pico de sedução quando Jussara lustra joia do trio tribalista formado por Arnaldo Antunes, Carlinhos Brown e Marisa Monte. Contato Imediato é linda, simples e melodiosa balada que ficou escondida em disco de Arnaldo, o mesmo Qualquer (2006) no qual também jazia esquecida O Que Você Quer Saber de Verdade, música que dá nome ao disco lançado esta semana por Marisa Monte. Tivesse o Brasil ouvindos mais atentos, o País celebraria este disco em que Jussara aborda com a mesma maestria essa pérola tribalista, um tema serelepe como Marcianita (José Imperatore Marcone e Galvarino Villota Alderete em versão de Fernando César) - sucesso há anos entre o público seleto que assiste aos shows da cantora - e sagrada canção de Caetano Veloso, Madre Deus, composta para a trilha sonora de balé do Grupo Corpo, Onqotô (2005), assinada pelo compositor com José Miguel Wisnik. E por falar em Wisnik, é dele a música de Tenho Dó das Estrelas, posta sobre versos reluzentes de Fernando Pessoa (1888 - 1935). Na voz de Jussara Silveira, o jogo de palavras poliglotas armado por Zeca Baleiro na letra da canção Babylon dá a vitória a essa cantora que vai de A Voz do Coração (Celso Fonseca e Ronaldo Bastos) a Dê um Rolê (Moraes Moreira e Luiz Galvão, eco dos desbundes da Gal Fa-Tal e dos Novos Baianos) em onze faixas sem erros ou deslizes. Entre uma e outra, Jussara registra Bom (André Carvalho e Quinho) - música que o emergente André Carvalho, filho de Dadi, lançou em seu primeiro disco, Tempo do Tanto (2001) - e se banha na luz solar de O Dia que Passou (Toni Costa e Luiz Ariston), faixa na qual Marcelo Costa e Sacha Amback citam apropriadamente Here Comes the Sun (George Harrison). No todo, Ame ou se Mande se impõe como um dos grandes discos de 2011 pelo perfeita sintonia entre produção, arranjos, repertório, o virtuosismo dos dois músicos e o canto preciso de Jussara Silveira. Isso é o que você precisa saber de verdade...

Natival disse...

Pena que ela tenha tirado "Salve linda canção sem esperança" e "Muito romântico"

Leandro disse...

Oi Mauro, tudo bem?
A frase "Isso é o que você precisa saber de verdade..." é um deboche com o cd novo de Marisa Monte?
Abraço

Douglas Carvalho disse...

Jussara é divina. Estou doido para escutar esse CD.

Rhenan Rodrigo disse...

Preciso comprar e ouvir o quanto antes!
O Sacha e o Marcelo são estupendos. Confio na qualidade de antemão.

lauro disse...

Mauro, "registro preciso" e "canto preciso" ficou um tanto redundante... Mas me intriga o comentário final: então quer dizer que o disco de Marisa Monte não é tudo aquilo que a resenha tentou mostrar?

Mauro Ferreira disse...

Leandro / Lauro: o irônico comentário final não tem como alvo o disco de Marisa (do qual eu gosto muito, como expus na minha resenha). A ironia é com o fato de Jussara ser cantora com pouco espaço na mídia. Que eu saiba até agora ninguém falou do disco(que já foi distribuído aos críticos há duas semanas). É isso. Salve Marisa! Salve Jussara! Abs, MauroF

Marcelo disse...

Jussara é superior a Marisa em quase tudo, menos em marketing!!!

nando disse...

Pena que seja um disco, por enquanto, para poucos.
Não existe em nenhuma loja virtual para ser adquirido, segundo o próprio fornecedor.

Jardel Terrível disse...

Isso é o que precisam saber de verdade! A repercussão que foi dada ao disco de Marisa foi imensa, enquanto este nem às lojas virtuais chegou ainda. Não posso falar sobre o novo disco de Marisa porque não o ouvi. E nem quero! Prefiro Jussara em tudo, não tem nem comparação. Li um artigo da Folha de São Paulo em 1990, quando Jussara estreou seu show em São Paulo, que dizia "Agora a estridente Adriana Calcanhoto que trate de voltar pros pampas." Não concordo com a afirmação - embora eu ouça (e goste de) Jussara mais que Adriana - acho que Adriana também é talentosíssima (assim como outras contemporâneas: Zélia Duncan, Ná Ozzetti, Selma Reis, Leila Pinheiro, Vânia Bastos, Cássia Eller e... Marisa Monte!) e há espaço pra todas na MPB. Só que esse espaço não tem sido aproveitado. Segundo a revista Rolling Stone, Jussara é "a melhor cantora que você ainda não conhece." Sinto pesar por uma cantora tão boa e competente ser tão ignorada. Até mesmo pelos fãs de MPB.

Jussara é minha cantora favorita. Por isso que, pra mim, Marisa é inferior. Desculpe se pareci egoísta.

Confiram o Blog: http://www.jussarasilveiraesquirundum.blogspot.com/

Fabio disse...

Realmente esse é o melhor CD da Jussara e se comparado ao de Marisa Monte se sobressai por mostrar uma sinceridade, agrada aos ouvidos sem ser piegas. Jussara tem uma voz límpida e o CD apresenta uma ótima qualidade no som. Pena poucos conhecerem Jussara. Sua versão de Marcianita e Babylon são excelentes. Comprei esse CD na loja Compact Blue aqui em SP, a melhor e na minha opinião única loja de CDs que resiste aqui em SP por causa de seus compradores leais. Lá tudo chega antes! O CD da Marisa já tinha desde sexta feira, antes do lançamento do dia 31/10

Bert disse...

Também já tentei comprar e não encontrei.

Mas segundo o distribuidor, na próxima semana o cd já estará nos sites da Livraria Cultura e Fnac.

Aguardo ansiosamente!

Johnny Cesar disse...

Esse cd é o melhor de 2012, para se ouvir várias vezes sem parar.
O show que deu origem a ele é tão bom quanto.
Só temos que agradecer à Jussara e ao Zé Pedro por nos presentearem com esta verdadeira jóia.
Quando eu tiver tempo ou alguém me emprestar ou eu ganhar no Natal eu ouvirei o da MM.

lurian disse...

Por que será que mesmo em discos medianos como a maioria dos que foram editados via Joia Moderna até agora suas notas ficam entre 4 estrelas e meia e 5 estrelas Mauro? Apesar de gostar de Jussara Silveira suas críticas ultimamente têm ressaltado sobremaneira as qualidades dos álbuns/artistas que gravam via Jóia Moderna... essas questões têm me feito perder tesão nas resenhas do blog!

Luca disse...

Luriam, também acho que o Mauro protege a Jóia Moderna porque ela é uma gravadora só de cantoras. mas tenho que defendê-lo em relação à Jussara. Quando ele resenhou o show, deu cinco estrelas, botou a Jussara lá no céu e não havia disco da Jóia Moderna. Outra coisa: ele deu apenas três estrelas pro disco da Sílvia Maria e três pro da Vanusa, fazendo ressalvas a eles. Pra mim, me incomodam mais as quatro estrelas da Marisa que as cinco da Jussara.

KL disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
lurian disse...

Luca, eu gosto muito da Jussara, minha opinião não é relativa ao disco dela porque ainda não ouvi. Mas o show foi resenhado como muito bom mas consegui uma fita do mesmo e não concordo que estivesse tão bom assim. Não se trata da qualidade do áudio, é que me deu uma sensação de dejá vu... Jussara está seguindo muito perto Gal e não acho isso tão bom. Opinião puramente pessoal. Por outro lado acho que superar "Entre o amor e o mar" é difícil, mas obviamente fico na torcida para que seja um grande disco, pois todos nós sairemos ganhando.
Quanto à Joia Moderna creio que ela cumpra um papel importante no atual cenário...é isso.

Gabriel Silveira disse...

Vou fazer algo que gostaria que fizessem sobre a música dos meus ídolos musicais. Opinar.

Acho a voz da Jussara Silveira muito parecida com a da Gal Costa. Como não curto muito a voz da Gal, também não curto a da Jussara Silveira. Além disso, a única música que gosto com a Jussara Silveira é "Feito pra Você" na qual ela faz um maravilhoso dueto com Celso Fonseca.

Escutei trechos deste novo álbum c/ produção dos ótimos Sacha Amback e Marcelo Costa no site da Jóia Moderna e não gostei.

Porém, realmente é lamentável a Jussara Silveira e outras grandes cantoras não fazerem sucesso num país onde ivete sangalo, ana carolina, joelma e claudia leite fazem.

Minhas cantoras prediletas são: Rosa Passos, Joyce, Paula Morelenbaum, Adriana Calcanhotto, Mariana Aydar, Betty Carter, Rita Ribeiro, Marisa Monte, Sade, Vanessa da Matta e Clara Nunes.

KL disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
guima disse...

Comprei o cd hj direto com a Tratore: É Play/Repeat o tempo todo!! Sem dúvida, Mauro o MELHOR (até o momento) da discografia da Jussara. Elejo desde já, o MELHOR disco de MPB de 2011/2012!!
Abs,
Ricardo Guima

lurian disse...

Ouvi o cd e, na minha opinião, está longe da qualidade de "Entre o amor e o mar", que além de composições/compositores muito mais interessantes houveram arranjos muito mais diversificados. Realmente é o que eu já havia ouvido do show, excessivamente cool/minimalista, quase essa Marisa Monte insípida de hoje. Não Jussara, prefiro os antigos 'Entre o amor' e 'Canções de Caymmi'!
Jussara normalmente é boa intérprete de Celso Fonseca, mas "A voz do coração" realmente não ficou legal, perdeu a bossa e o brilho.
Há momentos bons no disco como "Contato Imediato", "Tenho Dó das Estrelas" mas o que sobressai é uma certa monotonia pela pouca diversificação e algumas canções que nada acrescentam como: Marcianita, Bom
O Minimalismo pode representar duas coisas: falta de grana pra pagar mais músicos ou uma aposta estética, mas é faca de dois gumes, pode soar interessantíssimo ou cair numa monotonia sem fim. Infelizmente a mim soou monótono.
Definitivamente não ponham este disco no mesmo patamar que "Cavaleiro selvagem" que em seu galope deixa esse muito atrás!

Jussara disse...

Vai ser um belo show. TAM vai receber duas grandes artistas, Jussara Silveira e Valéria Oliveira. Parabéns PETROBRAS!!!