Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


quinta-feira, 13 de junho de 2013

24º Prêmio da Música atesta duplamente vigor de Bosco, Moraes e Zélia

João Bosco (foto), Moraes Moreira e Zélia Duncan foram alguns dos principais vencedores da 24ª edição do Prêmio da Música Brasileira em noite de gala que lotou o Theatro Municipal do Rio de Janeiro, no Rio de Janeiro (RJ), em 12 de junho de 2013. Bosco, Moraes e Zélia ganharam dois troféus na cerimônia apresentada pela cantora com Adriana Calcanhotto. Bosco concentrou os prêmios da categoria MPB por conta de seu retrospectivo CD/DVD 40 anos depois. Moraes teve reconhecido o vigor da safra de inéditas autorais de seu álbum A revolta dos ritmos, destaque da categoria Regional. Já Zélia Duncan foi eleita a melhor cantora da abrangente categoria Pop/rock/reggae/hip hop/funk por conta do CD Tudo esclarecido - Zélia Duncan canta Itamar Assumpção, eleito o melhor álbum do segmento. Aos 82 anos, Cauby Peixoto também se destacou na premiação, levando dois troféus, os de Melhor Cantor e Melhor Álbum (Minha serenata), na categoria Canção Popular. Único indicado nas categorias Arranjador e Projeto Especial por conta de três discos distintos, Mario Adnet foi obvia e inevitavelmente também um duplo vencedor, contemplado em ambas as categorias por conta do disco Vinicius & os maestros. Em premiação pontuada pela homenagem a Tom Jobim, mote do evento orquestrado pelo empresário José Maurício Machline (criador do Prêmio da Música Brasileira), a única vitória questionável foi a de Rodrigo Campos, contemplado como Revelação por seu segundo disco, Bahia fantástica. Afinal, o cantor e compositor paulista já tinha sido revelado há quatro anos com seu primeiro incensado álbum, São Mateus não é um lugar assim tão longe (2009). Eis (todos) os vencedores do 24º Prêmio da Música Brasileira:

Categoria MPB
Álbum: 40 anos depois - João Bosco
Cantor: João Bosco, pelo CD/DVD 40 anos depois
Cantora: Maria Bethânia, pelo CD Oásis de Bethânia
Grupo: Orquestra Imperial, pelo CD Fazendo as pazes com o swing

Categoria Pop / rock / reggae / hip hop / funk
Álbum: Tudo esclarecido - Zélia Duncan canta Itamar Assumpção
Cantor: Caetano Veloso, pelo disco Abraçaço
Cantora: Zélia Duncan, por Tudo esclarecido
Grupo: Titãs, pelo CD/DVD Cabeça dinossauro ao vivo 2012

Categoria Samba
Álbum: O samba da mais alta patente - Nelson Sargento
Cantor: Monarco, pelo CD A soberania do samba
Cantora: Alcione, pelo CD/DVD Duas faces - Ao vivo na Mangueira
Grupo: Quinteto em Branco e Preto, pelo CD Quinteto

Categoria Regional
Álbum: A revolta dos ritmos - Moraes Moreira
Cantor: Moraes Moreira, pelo CD A revolta dos ritmos
Cantora: Elba Ramalho, pelo álbum Vambora lá dançar
Dupla: Kleuton e Karen, pelo CD A viola permanece
Grupo: Orquestra Popular da Bomba do Hermetério, pelo CD Cabeça no mundo

Categoria Canção Popular
Álbum: Minha serenata - Cauby Peixoto
Cantor: Cauby Peixoto, pelo CD Minha serenata
Cantora: Ivete Sangalo, pelo CD Real fantasia
Dupla: Victor & Leo, pelo CD/DVD Ao vivo em Floripa
Grupo: Banda Eva, pelo álbum duplo Conexão nagô / Rede tambor

Categoria Instrumental:
Álbum: Villa-Lobos superstar - Pau Brasil
Solista: Raul de Souza, pelo CD O universo musical de Raul de Souza
Grupo: Pau Brasil, pelo álbum Villa-Lobos superstar

Álbum projeto especial: Vinicius & os maestros - Mario Adnet

Álbum infantil: Par ou ímpar ao vivo - Kleiton & Kledir + Grupo Throll

Álbum eletrônico: Peregrino - Projeto CCOMA

Álbum erudito: Villa-Lobos & Friends - Nelson Freire

Álbum em língua estrangeira: Blubell & Black Tie - Blubell & Black Tie

Melhor canção: Carta de amor (Paulo César Pinheiro e Maria Bethânia)

Revelação: Rodrigo Campos, pelo CD Bahia fantástica

DVD: Alma lírica brasileira - Mônica Salmaso

Arranjador: Mario Adnet, por Vinicius & os maestros

Projeto visual: Fernando Young e Quinta-Feira, pela direção de arte do CD Abraçaço

11 comentários:

Mauro Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Victor Moraes, disse...

Gostosa surpresa da Blubell

Luis Tolentino De Alustau disse...

Não falar sobre Maria Bethania, mostra a falta de respeito ou seria despeito do Blogueiro com a maior interprete do país.

Luis Tolentino De Alustau disse...

Não citar a premiação de Bethania demonstra claramente a falta de respeito/despeito com a maior interprete do país.

Gill disse...

Não foi despeito nem desrespeito. Mauro sempre discorreu gigantes textos em homengem à Bethânia, inclusive sobre este último disco que é fraco. Mas confesso que senti falta de seu nome na resenha do prêmio. Afinal ela ganhou dois prêmios importantes.

Mudando de assunto Mauro, "Theatro Municipal do Rio de Janeiro, no Rio de Janeiro (RJ)" é muito redundante. Se é municipal do Rio de Janeiro só poderia ser no Rio de Janeiro. "no Rio de Janeiro" e "(RJ)" são dispensáveis.

luis claudio de oliveira disse...

Merecidíssimas conquistas da Bethania
Arrasando em Lisboa e no Porto, onde foi (sempre é)reverenciada.Voltando ao Brasil para a FLIP. Soberana, ainda que um não queira.Então tá...

Anônimo disse...

Bom, acho essa canção da Bethânia com Paulo César Pinheiro um dos grandes micos de 2012, não sei como embarcaram nessa, alías nem daria a isso o nome de canção. Achei preguiço Alcione ganhar como melhor de samba assim como Elba de Regional.

Sergio Dias disse...

Bethânia está em um patamar que não precisa de citações. Carta de amor, antes de nascer, já era um marco na mpb. Vida longa à rainha!

Unknown disse...

Concordo com vc Sergio Dias, em gênero, numero e grau!

Daniel disse...

Ivete ganhando com aquele album pessimo é pra acabar...

Gill disse...

Carta de Amor é um marco na MPB???Olha, meu fanatismo foi superado. Eu acha que era fã incondicional de Bethânia e que gostava de tudo que ela fazia, mesmo quando ela fazia algo fraco.
Carta de Amor não é marco nem na carreira de Bethânia muito menos na MPB. É um disco fraco e preguiçoso.