Mauro Ferreira no G1

Aviso aos navegantes: desde 6 de julho de 2016, o jornalista Mauro Ferreira atualiza diariamente uma coluna sobre o mercado fonográfico brasileiro no portal G1. Clique aqui para acessar a coluna. O endereço é http://g1.globo.com/musica/blog/mauro-ferreira/


sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012

Filho de Dalva e Herivelto, e herdeiro da bossa, Pery sai de cena aos 74

Pery Ribeiro (1937 - 2012) se gabava do fato de ter sido o primeiro a registrar em estúdio a célebre Garota de Ipanema, que veio ao mundo em 1962 pelas mãos e mentes inspiradas de Tom Jobim (1927 - 1994) e Vinicius de Moraes (1913 - 1980). De fato, Pery teve tal primazia ao dar voz à então nascente Garota em seu álbum Pery É Todo Bossa (1963). Mas não vai ser por tal proeza que o cantor - morto aos 74 anos na manhã desta sexta-feira, 24 de fevereiro de 2012, vítima de enfarte - vai ser mais lembrado. O nome de Pery é hoje - e talvez vá ser sempre - bem mais associado ao canto passional de sua família. Afinal, Pery foi filho de um dos casais mais ruidosos da música brasileira, Dalva de Oliveira (1917 - 1972) e Herivelto Martins (1912 - 1992). Dalva e Herivelto eram as suas estrelas, como Pery sentenciou já no título de livro autobiográfico editado em 2006, mesmo ano em que o cantor lançou seu último CD, Cores da Minha Bossa. Mas tal parentesco - do qual o artista tinha orgulho - jamais deve fazer sombra à obra fonográfica do cantor, iniciada em 1960 com a gravação de um compacto duplo. Pery foi todo bossa em sua fase áurea. Embora os dois primeiros LPs do artista (Eu Gosto da VidaPery Ribeiro e seu Mundo de Canções Românticas, lançados em 1961 e em 1962, respectivamente) tenham sido gravados fora de sintonia com a modernidade que já se impunha naquela época, Pery foi mais um entre os muitos herdeiros das conquistas da Bossa Nova, gênero que abraçou a partir de seu terceiro álbum (o já citado Pery É Todo Bossa) e que norteou a partir de então sua discografia na década de 60 em álbuns como Pery Muito Mais Bossa (1964). A partir dos anos 70, a discografia de Pery Ribeiro já incursiona pela MPB que se consolidara na era dos festivais. Mas a bossa ficaria associada ao seu canto (assim como sua filiação ficaria associada ao seu nome). Pery Ribeiro foi todo bossa nos discos dos anos 60.

15 comentários:

Mauro Ferreira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anônimo disse...

Cantor importante de voz emocionante que deixa uma discografia variada e competente. Por uma ironia, tomara que agora voltem ao mercado seus discos, principalmente os gravados nos anos 70 que sāo preciosos.

Rafael M. disse...

Taí também mais um cara que eu gostava... Uma grande perda para o cenário musical. Espero que possam lançar em CD com ótima qualidade sonora os discos antigos dele, o "Eu Gosto da Vida" (seu primeiro LP na verdade) "Pery Ribeiro E Seu Mundo de Canções Românticas" (1962), "Pery" (1965), "Gemini V En México" (1967), "Pery Ribeiro (1971), "Pery Ribeiro (1972), "Pery Ribeiro" (1973), "Herança" (1973), "Abre Alas" (1974), "Bronzes E Cristais" (1976), "Alvorada" (1979), "Os Grandes Sucessos da Bossa Nova" (1980), "Sings Bossa Nova Hits" (1980, versão em inglês do disco anterior), "Brasileiríssimas" (1981) e o por fim o "Pery Ribeiro" (1991). Há muito tempo que esses discos merecem uma versão remasterizada em alta qualidade sonora, e com encarte explicativo, e tudo o mais a que nós temos direito.

Uma correção: o último disco do Pery foi "'S Wonderful Movie'N'Bossa", de 2007, e não o "Cores da Minha Bossa".

Renato Vieira disse...

Um grande cantor que, infelizmente, teve sua importância diminuída por ser filho de "artistas anacrônicos", como Dalva e Herivelto. Vai fazer falta.

maroca disse...

Acho que o Emílio Santiago deve ter copiado as Aquarelas a partir do disco "Brasileiríssimas" de 1981 do Pery Ribeiro e que é um disco show de bola.

maroca disse...

Há um lance curioso no disco "Brasileiríssimas" é que Angela RoRo no encarte do disco "Só nos resta viver", diz que a música homônima foi inspirada em "Meu amigo, meu heroi" de Gilberto Gil depois dela ter ouvido a gravação de Zizi. Daí a grande sacada do Pery, abriu o disco com: Só nos resta viver e Meu amigo, meu heroi.

Tombom disse...

Voz doce, melodiosa, elegante... Vai fazer falta. Ficam as belas gravações. Descanse em paz, Pery!

Rafael M. disse...

É estranho constatar que o dono do blog não fez correções quanto as correções do primeiro e do último álbum lançado por Pery e insiste em manter o erro no blog. Vai entender...

EDELWEISS1948 disse...

GRANDE CANTOR QUE SOBE PARA O ANDAR DE CIMA. SUGESTÃO PARA O RODRIGO FAOUR E MARCELO FROES LANÇAREM CAIXA COM A FASE DA ODEON.

Rafael M. disse...

O Edelweiss tem razão... Fica a sugestão para que o Rodrigo Faour ou o Marcelo Fróes lancem uma bela caixa com vários discos de Pery que só existem ainda (!!!) em LP, como todos que eu citei mais acima, com som remasterizado e vários fotos e curiosidades sobre o grande Pery Ribeiro.

Rafael M. disse...

Fica a sugestão também para que o Zé Pedro faça um CD da série "A Voz da Mulher Na Obra de Pery Ribeiro", pois Pery também escreveu várias e belas composições.

Denilson Santos disse...

Quem sabe agora o Pery venha a ser reconhecido como um dos melhores cantores do Brasil de todos os tempos...

abraços tristes,
Denilson

Ednei Martins disse...

Cantor refinado, não tinha alcance hoje em dia pra um público tão sem gosto.

CN disse...

Um gentleman da canção, um lorde com seu público e colegas. Que o plano espiritual o receba com o mesmo amor que ele dedicou à arte. Também torço pelo relançamento de seus discos, inclusive um lançado pela Continental (acho que...), onde interpretou belissimamente "Pare de me Arranhar. Carlos Navas

Renato Vieira disse...

Maroca, vale lembrar que a série Brasileiríssimas na Polygram teve início com o próprio Emílio Santiago, em 1976